Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
57 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59127 )

Cartas ( 21236)

Contos (13112)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46510)

Humor (19279)

Infantil (4457)

Infanto Juvenil (3725)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138227)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5523)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->*INCIVILIDADE O MAL DO SÉCULO* -- 05/03/2009 - 14:39 (Sonia Nogueira - *sogueira*) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

*Incivilidade, o Mal do Século*

Estamos morando sobre um barril de pólvora? Assaltos, roubos, corrupção, prostituição, sexo livre, drogas, arrastões, bandidagem, gangs, pistolagem, estrupos, GUERRAS, a incivilidade do homem.

Estamos não. Sempre estivemos. Assim registra a história. Desde os primórdios da vida humana que o homem, antes dito como não civilizado, as tribos incultas, invadiam cidades em nome da posse de terras e da hegemonia, o poder.
Leio a Bíblia, o primeiro livro publicado e o mais vendido, o maior registrador da historia. Sou professora de História e não poderia deixar de fazê-lo.

O Novo Testamento, já li duas vezes. O Antigo Testamento, uma boa parte, e afirmo: Em nome de Deus, segundo os profetas, matava-se em nome da religião e por ordem de Deus, matavam-se os hereges. Moisés que passou quarenta anos para encontrar a terra prometida, a Palestina, faleceu antes. Seu sucessor Josué ao chegar encontrou moradores, homens altos, fortes, valentes e em nome de Deus dizimou toda a população, para usufruírem da terra prometida.
O planeta terra imenso, fértil, sem dono, com lugares despovoados a escolha, tinha que ser a palestina? Estas pessoas não conheciam outra história e sim a sua história.

Como estes homens não seriam os donos da terra, se habitavam primeiro? Porém foram anos de guerras sangrentas, mortes, destruições e horrores. Nasceu Jesus, o homem que se fez filho de Deus, mas para os Judeus, o Salvador ainda vem, ele foi apenas um profeta que veio pregar uma nova religião, ensinou a fraternidade, o perdão, o amor e seus seguidores criaram uma nova religião.

Ao pé da letra entendemos assim, mas segundo um sermão que ouvi de um sacerdote, nos escritos Bíblicos os testos são simbólicos. Jesus não passou quarenta dias sem alimento e Moisés não passou quarenta anos para encontra a terra prometida... Pensei, segundo o alcance da minha pobre análise: Jesus é também uma simbologia? Apenas para mostrar o ato heróico que devemos ter na vida para ressurgir a cada crucificação?...

A população cresceu assustadoramente, estudou, se modernizou, a ciência evoluiu, a vida acadêmica formou homens, os chamados “táticos inteligentes”, que matam a longa distância, os “diplomatas” donos de uma negociação hábil entre países , o cientistas tentadores da longevidade, porém a barbárie continua com mais força, a inteligência desperdiçada para grandes inventos que destrói com maior precisão.

As nações continuam guerreando em nome da religião e posse de terras, aos moldes da Santa Inquisição, que combatia a heresia, magia, poligamia. Matava mais a serviço do rei do que da igreja. As Cruzadas, com o objetivo de combater os infiéis, eram mais políticas do que religiosas etc. Foram exemplos deixados para a posteridade, onde os “civilizados” copiam em vez de modificar os rumos da história moldando mentes num só pensamento evolutivo, de mãos dadas, pregando a paz e a fraternidade.

As letras não estão engrandecendo saber. A inteligência projeta armas poderosas para destruir o irmão inocente, em vez de criar projetos para unir os povos. Os dirigentes das nações organizam ataque suicidas, ficam resguardados e os soldados em nome da defesa da pátria matam o irmão, e crianças inocentes órfãos, as mulheres marcadas pela dor das perdas.
Onde está o homem civilizado? Bilhões de dólares, euros, libras etc. são desperdiçados para a inutilidade das guerras, enquanto pessoas morrem sem assistência médica, falta de moradia, desnutrição.

Os países em guerra e os que apoiam enviando armas, soldados, recursos financeiros estão preparando seus filhos para a continuidade da luta sangrenta, com o coração cheio de ódio e vingança.

Os mentores das guerras deveriam ser eliminados e substituídos por homens com uma visão de mundo igualitário, onde todos têm os mesmos direitos e deveres. Para que tanto desperdício numa viagem rápida como a nossa, que mal abrimos os olhos e num passo de mágica deixamos tudo aí sem usufruto e domínio! Quanto desperdício de vida. Quanta ignorância. Quanta fragilidade. QUEREMOS PAZ.

Sonia Nogueira *sogueira*
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui