Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
76 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59142 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9441)

Erótico (13481)

Frases (46534)

Humor (19286)

Infantil (4462)

Infanto Juvenil (3732)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138253)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5528)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->OLHANDO UMA FOTO -- 01/03/2009 - 09:18 (Umbelina Linhares Pimenta Frota Bastos) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. OLHANDO UMA FOTO

Sorri para mim, essa estranha mulher de olhos verdes, verdes como o mar. Cobre o seu busto impecável, uma blusa branca, diz-me entretanto que a mulher é linda, que os traços do seu rosto possuem a pureza do classicismo grego.
Recordo-me, relembro-me; eu a conheço por certo. Agora sei que os seus cabelos tem a cor forte dos raios de sol. Eu a vi um dia e fiz um poema. Ela no entanto, é sagrada para mim, surgiu ante os meus olhos e da chama verde de seus olhos nasceu a fagulha da minha inspiração.
Sobre os meus cabelos brancos a iluminar a cinza da minha alma, a luz, a centelha emana da sua figura imensamente linda, divinamente fascinadora. Do mesmo lugar de onde brota o fascínio misterioso das esfinges, e sem tocá-la a gente prosterna-se diante do sagrado.
E sonho, e penso. Vasculho no meu interior, os azares do meu destino, tal qual o mostrador desnorteado de uma bússola que caminha em sentido inverso ao da felicidade. Ela é como o meu alimento material e espiritual ressuscitando velhas ilusões e nova e bela trajetória de um ideal que já julgara sepultado na poeira dos caminhos... dos imensos caminhos da vida.
Olhando agora o seu retrato, revendo as linhas puríssimas do seu perfil, aperto o peito onde tumultuam os soluços de uma amargurada renúncia. A renúncia de minha mocidade, da minha vida. A renúnica de mim mesma.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui