Usina de Letras
Usina de Letras
24 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61962 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50379)

Humor (19998)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4725)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140716)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Artigo que falta no foro: PAZ -- 01/05/2003 - 08:08 (Antonio Caldas Brito(Piolho-Chato)) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Meu nome é Antonio Caldas,

Brito, e existo de fato,

Porém na usina sou

O Chato Piolho-Chato

Que protegendo a usina

Homem, mulher ou menina,

Xingo, ofendo e detrato.



E nunca deixo barato

Quando persigo uma meta

Embora pesando bem

O que a ação acarreta,

Não sou agressor gratuito

Mas sempre ajo no intuito

Que no fim tudo se acerta.



Não sei se a maneira é certa

De se combater os maldosos

Que procuram destruir

Os espaços maravilhosos

Que Waldomiro criou

E altruista Liberou

Para os menos talentosos.



Pois os deveras famosos

Por aqui nem aparecem

Teem o apoio da mídia

Em tudo de que carecem,

E entre nós, simples mortais

As discórdias mais e mais

Desabridamente crescem.



Hão muitos que não merecem

Jamais sofrer reprimenda,

Mas existe o contumaz

Que fomentando contenda,

Mesmo sendo admoestado

Nunca sente-se abalado

É ridículo:não se emenda.



Nos olhos tem uma venda

Como uma mula mascarada

Que só enxerga prus lados,

Prá frente nunca vê nada

Porquê não pretende ver

Quer apanhar e bater

E disto fez sua estrada.



Eu vou entrar na parada,

Mas venho educadamente

Pedir a estas pessoas

Que agem dementemente

Que mudem o procedimento

Usando comedimento

E agindo decentemente.



Não apoio nenhuma parte

Porque ambas agem iguais

Ficam se espezinhando

Sempre desejando mais

Mas isto é mal exemplo,

Façamos do foro um templo

E não o degrademos mais.



Se ambos se mostram iguais

Na baixaria de momentos,

Sei que são equivalente

Nos vastos conhecimentos

Ambos deveriam parar

Um pouco para pensar

E teriam bons proventos.



Os sábios e os portentos

São exemplos naturais,

Que seus dons poéticos

Agindo como Jograis,

Ensinando e aprendendo,

Dando exemplo e recebendo

Os aplausos dos demais.



Respeitosamente;



Antonio Caldas Brito; Piolho-Chato 1º e único



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui