Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
118 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59051 )

Cartas ( 21235)

Contos (13079)

Cordel (10287)

Crônicas (22189)

Discursos (3163)

Ensaios - (9405)

Erótico (13483)

Frases (46400)

Humor (19251)

Infantil (4424)

Infanto Juvenil (3677)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138151)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5498)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->CORNO É VOCÊ -- 16/05/2007 - 18:53 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
DESACONSELHADO PARA MENORES DE 18 ANOS.



Conheci um sujeito que trabalhava trazendo madeira de Belém para vender em Fortaleza. O sujeito era meio doido. Seu maior sonho, segundo ele mesmo contava, era criar uma menina desde pequena, e quando ela chegasse a certa idade se casar com ela. Coisa de maluco mesmo. Acho que era pra ter certeza que ninguém ia comer a menina antes dele.

Aqui, no Ceará, ele passava três, quatro meses sem ir em casa, vendendo e cobrando as vendas fiadas. Enquanto não recebia todo o dinheiro das vendas não voltava para o Pará.

Certa vez, demorou-se bastante aqui e deixou a mulher, com quem vivia em Belém, sozinha à mercê dos gaviões e ela aproveitou a deixa, já que o marido não dava notícias há meses, e arranjou um namorado.

Um marinheiro do Rio de Janeiro que desembarcaram em Belém e por lá ficou alguns meses, e esse tempo aproveito pra ficar comendo a mulher do doido do madeireiro.

Quando voltou para Belém ele tomou conhecimento do caso, inclusive ficou sabendo o nome do sócio. Mesmo assim não deixou a mulher e continuou vivendo com ela normal e tranquilamente.

Um belo dia, o telefone toca, ligação a cobrar, interrubarno ao meio-dia, e o madeireiro atende. A pessoa do outro lado da linha, uma voz de homem pede para falar com a mulher dele, madeireiro, que desconfiado, pergunta quem é que deseja falar com ela.

O sujeito se identifica e madeireiro logo concluiu que é o marinheiro.

Daí em diante travaram o seguinte diálogo.

- Madeireiro: Seu filho de uma puta, você não tem vergonha de ligar pra minha mulher, não?

- Marinheiro: Filho da puta é você, seu viado.

- Madeireiro: Viado é você! Vá tomar no cu!

- Marinheiro: Viado o quê? Seu corno!

- Madeireiro: Roxo de raiva e não tendo mais o que dizer com o marinheiro sai com essa: Corno o que seu, viado? Corno é você. Você comeu minha mulher só uma vez e eu como ela todo dia.

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
MAIO/2007
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 25Exibido 1770 vezesFale com o autor