Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
207 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58440 )
Cartas ( 21217)
Contos (12933)
Cordel (10248)
Crônicas (22139)
Discursos (3153)
Ensaios - (9300)
Erótico (13459)
Frases (45622)
Humor (19026)
Infantil (4260)
Infanto Juvenil (3386)
Letras de Música (5457)
Peça de Teatro (1331)
Poesias (137829)
Redação (3021)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1938)
Textos Religiosos/Sermões (5332)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->O homem da garrafa -- 20/10/2020 - 20:23 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

 

 



Vou juntando os cacos de memória para chegar ao homem da garrafa sob os pés. A figura, no entanto, é clara demais para ser esquecida, de inusitada que era para um guri de seus seis anos.

E ecce homo: a personagem garrafalmente lembrada era o Ignácio Camilo, primogênito de uma extensa irmandade. Magro, encovado, de deitado que estava, sentou-se na cama para nos receber, e rolar a garrafa verde com os pés, calçados de meias amarronzadas. Tinha sido submetido a uma operação delicada, e ali convalescia. Era o que se dizia e se cria.

E a visita foi breve como soía. Tia Isabel, papai e acho que tia Lia sabiam-no, dolorosamente. Não cabia explorar uma agonia. E ainda tínhamos que pegar a jardineira do Tonico Caldas pra voltar pro Brumado, a uma légua da cidade. Bebel, eu e o mano Beu não tínhamos o entendimento para além da imagem garrafal.  A casa, com a mesma fachada de hoje - uns sessenta e cinco anos decorridos -  fica na bem na pontinha mais fina da praça do jardim triangular central e mais charmosa de Pitangui... Nos anos subsequentes, passou às mãos de um fazendeiro/industrial muito considerado na cidade, o Fifi, pai de família numerosa e muito bem criada. Fifi era Gabriel, de pia, e se destacou ainda na edilidade, em tempos em que a vereança era um sacerdócio digno e não-remunerado.

Uma requintada campa em que repousa o homem da garrafa, traz mais algum dado biográfico, além das lembranças imorredouras de seus próximos e pósteros, sempre reafirmadas com velas e arranjos florais: falecido - se não me falece agora a memória - em 1956.

Nossas famílias, Camilo e Miranda, tinham um ponto de entrelaçamento: meu avô paterno, Velusiano, seleiro curvelano, nascido em 1859 e falecido provavelmente em 1939, tivera a infelicidade de enviuvar por quatro vezes, até o seu quinto e final casamento. E em duas dessas oportunidades desposara irmãs Camilo, possivelmente tias do homem da garrafa, com uma das quais, Constância, tivera quatro filhos, Maria, Francisco, José e João. Ao José, o Tizé Velu, ainda cheguei a conhecer pessoalmente. Herdara do pai a habilidade de lidar com o couro, mas suas companhias mais frequentes eram o violão e o maço de Douradinhos...

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 32 vezesFale com o autor