Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
182 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58296 )
Cartas ( 21211)
Contos (12892)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13457)
Frases (45483)
Humor (18988)
Infantil (4216)
Infanto Juvenil (3309)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138804)
Redação (3008)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5292)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Campanhas memoráveis -- 29/09/2020 - 17:35 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 

Campanhas memoráveis



Era o tempo do corpo a corpo nas campanhas eleitorais, naqueles anos de 50 para 60. Pleito municipal em Pitangui, opunha dois formidáveis adversários, UDN e PSD, Professor Morato e Anthero Rocha, o Rochinha. Pro PTB, não mais que uma beirada figurativa, talvez com a chance de fazer um vereador, mais figurativo ainda no tabuleiro político municipal.

Ambos contendores principais já haviam ocupado a cadeira de Prefeito, por pelo menos uma vez. Enquanto Rochinha se embrenhava nos povoados, Morato fazia seu périplo urbano, e vice-versa. Rivais cordiais, e tudo o mais. Mas debate mesmo não havia, nos bastidores é que tudo se fazia, e se desfazia.

Morato era indubitavelmente um homem de certos rompantes, com sua arte de prestidigitação, sua voz cavernosa de baixo barítono e sua  imponência operística, além de lente de História no Ginásio Municipal. Já Rochinha era mais dos papos amenos, galanteador não de somenos, e das articulações e composições insondáveis.

Tão diferenciados em seus estilos, e tanta semelhança nas promessas. O eleitor se comprazia em, pelo menos naquele curto espaço de tempo que a apresentava somente a cada quatro anos, de tê-los ao alcance, ter suas pretensões e queixas ouvidas, ou adivinhadas...no mais das vezes.

Duma feita, na casa das Trabucas, irmãs solteironas que viviam com um irmão, também solteiro, e com fama de pouco afeito ao trabalho, o Juquita, o Morato chegou e, bonachão, servido de café com bolachas da Padaria do Perdigão, foi logo abrindo o verbo, com seu vozeirão inconfundível:

 - Pra vocês moças, vou garantir a estabilidade na Fábrica de Tecidos, com direito à aposentadoria plena antecipada...no que foi tacita e completamente aprovado... e seguiu, em sua cavernosa e imponente fala:

 - ...agora pro Juquita, moço ladino e bem disposto, merecedor de um lugar na sociedade, e num bom casamento, eu vou arrumar é um lugar na Rede (a referência era à Rede Mineira de Viação, a RMV, ferrovia regional...)...

Ao que o Juquita, despertado de seu torpor, após um rápido bocejo, retorquiu:

 - Uai, Professô, até pode sê, mai o Ruchim quando passô aqui antonte, me agarantiu qui ia tamém arrumá um caba pá balangá a rede...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 27 vezesFale com o autor