Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
115 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57059 )
Cartas ( 21170)
Contos (12604)
Cordel (10081)
Crônicas (22199)
Discursos (3134)
Ensaios - (9004)
Erótico (13395)
Frases (43651)
Humor (18457)
Infantil (3773)
Infanto Juvenil (2689)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138247)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4855)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->NAMORO EM PLENO CEMITÉRIO -- 19/03/2006 - 22:15 (Germano correia da Silva) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
NAMORO EM PLENO CEMITÉRIO
(Por Germano Correia da Silva)

Há pouco menos de dois séculos, existia uma pequena localidade que hoje faz parte do conglomerado de municípios que formam a Grande São Paulo que, assim como acontece com todos os lugarejos que surgem de forma inesperada, naquela época, tal localidade ainda não tinha um nome definido.
Hoje ela é conhecida como a terra de muitos japoneses, terra dos hortifrutigranjeiros, berço dos estudantes universitários, entre outros.
Segundo pesquisas feita por um historiador anônimo e informações colhidas atualmente de alguns pescadores da região, o nome dessa cidade surgiu por acaso, da mesma forma que tem acontecido com o surgimento de nomes da grande maioria dos municípios, lugarejos, vilas e arraiais desse imenso país.
Eles disseram que foi assim que tuds disseram que foi assim que tudo começou:
- Um casal de namorados, formado por alguns desses jovens que gostam de namorar às escondidas, estava sempre a namorar dentro do pequeno cemitério existente naquele lugarejo habitado por uma grande maioria de pessoas de descendência oriental.
Um belo dia, a uma certa hora da noite, quase meia-noite, ambos os jovens estavam naquele mesmo lugar de sempre. Mãos naquilo, aquilo nas mãos. A garota, meio preocupada e talvez querendo ir embora para casa, disse ter ouvido um barulho estranho.
- Parece que tem alguém gemendo, ou um animal urrando, ou talvez alguém querendo nos assustar - sussurrou a garota morrendo de medo.
O jovem, por sua vez, fez pouco caso, na verdade, ele nem deu bolas. Afinal, o momento estava tão propício que ele nem se deu conta do suposto perigo que ali rondava.
Passado alguns minutos, o som estranho se repetiu. A garota quis novamente ir embora, mas o jovem, um tipo daqueles muito corajosos, metido a machão, foi verificar o local de perto e ao retornar respondeu à garota:
- Meu bem, não há ninguém ali naquele local para onde você estava apontando. Eu já estive lá, olhei e não vi nada.
O lugar estava muito escuro e por mais que ele tivesse se esforçado nada pode ver. Na verdade, havia uma vaca que estava caída dentro de uma catacumba e, todas as vezes que ela tentava sair, provocava aquele som estranho, um mugido diferente, que assustava a garota.
A moça insistiu e ele para não deixá-la muito preocupada, respondeu-lhe de uma forma muito calma e convincente:
- Querida, fique tranqüila, aqui onde estamos não há almas penadas, "ghosts" , nem lobisomens. O ruído que você está ouvindo deve estar sendo produzido pelo "mugido das cruzes" existentes aqui neste cemitério.
A moça acalmou-se, deixou de questionar o namorado e o casal continuou namorando naquele dia e em muitos outros que lá retornaram.
- Você que deve ser uma pessoa perspicaz e principalmente curiosa, já ouviu falar no nome de algum lugar que pode estar relacionado com o desfecho deste episódio?
Se você já ouviu falar ou até mesmo conhecer algo semelhante, não se assuste, é mera coincidência, pois o tal cemitério ainda existe e, vez em quando, o mugido das vacas que pastam nas fazendas e chácaras daquelas redondezas, ainda é confundido com o “mugido das cruzes” daquele cemitério ali existente.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui