Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
253 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58096 )
Cartas ( 21211)
Contos (12851)
Cordel (10239)
Crônicas (22075)
Discursos (3147)
Ensaios - (9222)
Erótico (13450)
Frases (45234)
Humor (18921)
Infantil (4142)
Infanto Juvenil (3222)
Letras de Música (5502)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138669)
Redação (2994)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5241)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Pára, pára...! -- 31/08/2020 - 20:48 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Do sonho à realidade...



A cada corrida pela fecundação que perdia, o espermatozóide ia sentindo o avanço atroz de seu envelhecimento e, o que era pior, a humilhação de jamais poder gozar do sublime conúbio com um óvulo, o sonho de todo espermatozóide desde o nascer...

Já sem chances de competir e praticamente relegado oblívio, pôs-se a pensar...pensar, pensar, até que lhe veio o estalo, promissor, feito o estalo que convertera o jesuíta Vieira ao pregador renomado e implacável que foi:
e nesse auspicioso contexto, a ideia, o plano para chegar à felicidade, ou mais literalmente à falicidade..

Verdade que não era um plano honesto, mas era uma questão de vida ou morte que consistia no seguinte, embutindo uma  mentira: iria doutrinar um jovem espadaúdo, viril e atlético a levá-lo no cangote na rota da fecundação e ele, com seu vasto conhecimento iria lhe indicando o caminho, os atalhos, e na suprema hora, entrariam os dois juntos, força e sabedoria, no paraíso da concepção.

Não lhe foi difícil encontrar o candidato ideal...havia muito galalau desiludido com o MBL, com o Mito, o Moro, cheio de energia e louco por uma aventura. Apenas não lhes entrava na cabeça a noção básica da biologia, que para o ato da concepção somente um, e não dois, podia penetrar no óvulo, cuja portinhola fechava-se automaticamente após o ingresso do primeiro e único.

E feito um peripatético Aristóteles, o velho espermatozóide ia doutrinando o seu discípulo, dia após dia, hora após hora, minuto após minuto, até que
surgiram os sinais da corrida, com aquele eflúvio de sangue e ar enchendo o corpo cavernoso peniano. Cumpria correr, disputar e vencer aquele louco estouro da boiada...

E se puseram em marcha, discípulo e mestre, ganhando preciosa dianteira...Até que, bem, até que...já antegozando a vitória final, o mestre, abrindo os olhos do sonho à realidade, bradou desesperadamente, com todos os seus pulmões:

 - ...Pára, pára, paaaaraaa...!!! que é punheeeeêêê....!!!

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 11 vezesFale com o autor