Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
41 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59135 )

Cartas ( 21236)

Contos (13102)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->O SILÊNCIO DE DEUS -- 01/11/2008 - 11:46 (Délcio Vieira Salomon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

O SILÊNCIO DE DEUS

Délcio Vieira Salomon

Diz a lenda que, no tempo em que havia diálogo entre os seres sobrenaturais que povoam o universo, o demônio, ao saber da criação do homem, perguntou a Deus:

- Por que criaste o homem?

A resposta de Deus foi o silêncio total. O demônio imaginava que depois de criado o tal de ser à imagem e semelhança de seu criador, só com sua criatura ele se comunicaria.

Mas como sempre o demônio se enganou.

Mal sabia que sua pergunta provocativa teria como resposta um Deus calado "per omnia saecula saeculorum".

Para os fervorosos cristãos, a atitude de Cristo diante da provocação de Pilatos foi do mesmo naipe:

- Quid est veritas? (O que é a verdade?), perguntou Pilatos. A resposta também foi o silêncio total. Como registrou Marcos: Iesus autem amplius nihil respondit (Jesus nada mais respondeu). (Mar: 15,5). Por isso, indignado, lavou as mãos. Ignorava, por arrogância, que a verdade estava diante de si, até numa hipértese (decompondo a frase "quid est veritas" em latim: "est vir qui adest": é o homem que está à sua frente). Afinal, este homem um dia dissera: "Ego sum via et veritas et vita" (Eu sou o caminho, a verdade e a vida "(Jo: 14,6).


Desde o momento em que o diabo interrogou ao Criador, paira no infinito o silêncio de Deus.

Até hoje todos nós mortais o notamos. O silêncio de Deus é o maior mistério que a todos nós atormenta.

Alguém já viu Deus? Alguém já o ouviu? Quem o disser é um mentiroso.

O próprio vate da abolição, Castro Alves, atormentado pelo crime da escravidão bradou:

- "Deus, oh! Deus! Onde estás que não respondes? / Há dois mil anos te mandei meu grito / que embalde desde então corre o infinito".

Sintetizou nesses versos a tragédia do ser humano diante do mistério do silêncio de Deus.

Se não fosse esse silêncio, não haveria ateus, nem o mundo estaria tão desgraçado como está, com tantas seitas religiosas, cada uma se julgando a detentora da fala de Deus.

Aliás, esta a definição de religião: apropriação indébita da fala de Deus.

Já está comprovado que esta pretensão nada mais é que o disfarce da ânsia de poder que se instalou no coração do homem.

Por outro lado, se Deus falasse, quem garante que a humanidade seria diferente? Aí é que mora o mistério.

Na esteira desse silêncio o homem, através da religião, da mitologia, da filosofia e até da ciência, se julga vocacionado para ocupar o lugar de Deus.

Tinha razão Sartre quando escreveu em O Ser e o Nada:  "ser homem é tender a ser deus".

Apesar de ferir a sensibilidade religiosa dos que crêem, vejo que Saramago foi honesto, quando disse:

"as religiões nunca serviram para aproximar e congraçar os homens, (...) pelo contrário, foram e continuam a ser causa de sofrimentos inenarráveis, e morticínios, de monstruosas violências físicas e espirituais que constituem um dos mais tenebrosos capítulos da miserável história humana".

Mas o silêncio de Deus não deve ser motivo de desespero, nem para os crentes, nem para os agnósticos ou ateus.

Sabemos que o ateísmo, o agnosticismo e o indiferentismo já se tornaram características do chamado mundo pós-moderno.

Cumpre ressaltar: fora da religião e da mitologia e até da ciência, só nos resta a esperança que a moderna filosofia nos aponta.

E aqui devo render homenagem a filósofos como Luc Ferry (Aprender a viver, Vencer os Medos...) e André Comte-Sponville (Viver, Tratado do desespero e da beatitude ...).

Este, defensor do materialismo ascendente ("é preciso lutar: partir para o "assalto ao céu", mesmo que o céu não exista").

Aquele, a nos propor magistralmente um novo humanismo como tábua de salvação contra o ceticismo, o materialismo crasso, o dogmatismo e, sobretudo, contra o desespero.

Um convite a ler tais obras.

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui