Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
98 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57111 )
Cartas ( 21170)
Contos (12592)
Cordel (10092)
Crônicas (22212)
Discursos (3137)
Ensaios - (9017)
Erótico (13403)
Frases (43769)
Humor (18490)
Infantil (3792)
Infanto Juvenil (2720)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138316)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4892)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->CONSULTA AO PROCTOLOGISTA -- 01/12/2001 - 19:31 (Paccelli José Maracci Zahler) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
CONSULTA AO PROCTOLOGISTA

Paccelli M. Zahler

Para um macho que se preza, não tem nada mais humilhante que uma consulta ao proctologista. Fazer o quê? Uma vida sedentária, a prisão-de-ventre contumaz, os maus hábitos alimentares, lesões freqüentes no roscofe e, inevitavelmente, hemorróidas.

- Vai ao médico!
- Vou nada, isso passa!
- Passa nada!

O orgulho vai por água abaixo e chega o dia.

- Doutor, é um probleminha simples, etc. e tal.
- Abaixa as calças e fica de quatro que eu tenho que apalpar.
- Que é isso, meu? Não sou desses, não! Pensando o quê?
- Nesse caso, não posso fazer nada pelo senhor. Até logo!
- Até nunca!

Passa o tempo, o problema não acaba, outra consulta, a mesma proposta indecente.

- Está certo, concordo, mas só deixo olhar um pouquinho, ouviu?
- Nada disso! – responde o médico, de luvas esterilizadas e passando vaselina no indicador duro, roliço, grosso e comprido.
- Êpa, o que é isso, doutor? Tira esse dedo daí, porra! O que é que os outros vão pensar?
- Cala a boca e me deixa fazer o exame direito!
- Sou macho, porra! E tá doendo!
- Calma, relaxa, se solta, aproveita,...
- Aproveita uma ova! Até logo!
- Até!

E o problema volta com mais gravidade. Outra consulta.

- Tá bom, pode colocar o dedo. Mas não conta pra ninguém, certo?
- Pode ficar tranqüilo!
- Ai, que dor horrível, parece que tem pimenta no meu rabo!
- Relaxa que agora eu tenho que espiar lá dentro!
- Tá louco? Primeiro, esse dedo duro aí, agora esse tubo de metal com luzinha dentro? Não mesmo?
- É o jeito!
- Ai, meu Deus, que vergonha! O que a vizinhança vai falar? No mínimo, que eu não posso mais viver sem o dedo do doutor; ou, que o médico me mandou dizer 33 e que eu fiquei contando lentamente 1,2,3,4, ...33, só para aproveitar a oportunidade. Que vexame!
- Seu caso é grave e só a cirurgia resolve.
- Tudo bem, eu já não estou agüentando a dor. Em segredo, combinado?
- Palavra de médico!

A cirurgia é feita na capital, durante as férias, para ninguém desconfiar. Recuperado, ele volta para casa. Bronzeado, pois aproveitou para passar uma semana na praia.
Em passeios pela vizinhança e visitas aos amigos, não escapa da gozação:

- Fez recauchutagem, hein, Manoel?
- Feliz ânus novo, Manoel?
- Ué, como foi que descobriram?

Um verdadeiro mistério!
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 21Exibido 3651 vezesFale com o autor