Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
236 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58162 )
Cartas ( 21211)
Contos (12859)
Cordel (10239)
Crônicas (22095)
Discursos (3147)
Ensaios - (9230)
Erótico (13453)
Frases (45309)
Humor (18940)
Infantil (4163)
Infanto Juvenil (3236)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138722)
Redação (2997)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5254)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->PAGANDO UMA PROMESSA -- 13/07/2020 - 21:48 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

PAGANDO UMA PROMESSA  

A credulidade exacerbada ou a incredulidade extrema, acompanhadas dos reais motivos que fazem com que os seres humanos passem a viver em prol deles ou entendam que não dependem de nenhum tipo de crença/fé para levar a bom termo suas vidas, são imensuráveis e muito difíceis de administrá-los no dia a dia de cada um de nós.

Felizmente, os pais de Billy, em especial a mãe dele que, graças ao Nosso Deus Todo Poderoso, Criador dos céus e da terra, ainda está entre nós, lhe ensinaram das maneiras que lhe competiam fazê-lo, que Deus está Acima de Tudo e que cada um de nós é apenas um pequeno candeeiro aceso, movido a querosene, ainda que não necessariamente exposto ao vento.

Por mais que tentemos nos achar poderosos e senhores de nossas vidas, nada representamos diante da Onipotência Divina e a Bíblia Sagrada em toda a sua extensão nos fala sobre Deus. Ela nos diz quem Ele é, como Ele age, o que O agrada e nos mostra vários meios de como podemos nos relacionar com Ele.

Com a permissão divina, Billy começou a andar quando tinha três anos de idade. Antes disso ele só ficava deitado; posteriormente, sentado ou tentando engatinhar, tão logo fez um ano de vida. Não se sabe se era preguiça da parte dele, um pouco de medo de cair no momento que se levantasse, ou se era simplesmente um raquitismo, que é o amolecimento e enfraquecimento dos ossos em crianças, geralmente devido a uma quantidade inadequada de vitamina D.

Na verdade, ele era uma criança muito franzina. Tinha pernas e braços finos, meio debilitados, com um perímetro cefálico desproporcional para a estrutura óssea do seu corpo, motivados, quiçá, por uma desnutrição aguda.

Seus pais, mormente a sua mãe, se preocupavam sobremaneira com aquele quadro de visível inanição a que ele estava submetido; para que a mão dele descansasse um pouco durante o dia (já que durante à noite ele dormia bastante) Billy ficava um boa parte do seu tempo na casa de uma tia; sua prima era a pessoa incumbida de lhe buscar na casa dele para passar o dia na casa dela.

Ele ficava o dia inteiro numa esteira de taboa, uma espécie de tapete de palha que lhe servia de apoio para permanecer a maior parte do tempo; se ele não estivesse deitado, estaria sentado e, neste caso, estaria degustando um biscoito ou uma bolacha, ou qualquer fruta que tivesse ali disponível.

Em algumas ocasiões aquela sua demora para dar os primeiros serviu de chacota para as pessoas brincalhonas e extrovertidas da sua família; era quase comum alguém ficar dizendo que ele começaria a andar no dia de São Nunca que também é comemorado no dia de Todos os Santos (1.º de novembro de cada ano).

Preocupada com aquelas brincadeiras de mau gosto, (no entender dela), a mãe dele tomaria uma decisão, a partir daquele dia: faria uma promessa para com o Senhor do Bonfim da Bahia e tão logo seu filho começasse a andar, ambos, (ela e ele) pagariam a promessa pela graça alcançada.

Três meses após o pedido feito por ela ao Senhor do Bonfim da Bahia, justamente no dia que Billy completou três anos de vida, ele começou a dar seus primeiros passos e tudo começou assim: primeiro, ele se apoiou numa cadeira, levantou-se e com as pernas meio trêmulas tentou andar segurando-se, com certa dificuldade, pelas paredes.

Decorridos seis meses após aquela promessa feita por sua mãe, ele já estava andando, firmemente, sem receio de cair e até ensaiava uns piques no lugar. Enfim, era chegado o grande dia de sua mãe e ele cumprirem a promessa que ela fez. Assim, se a graça fora alcançada a promessa deveria ser cumprida. E lá, foram, eles para o efetivo cumprimento dela.

Em um pleno domingo de pouco sol, estavam, ali, Billy, sua mãe, seu pai, seus irmãos e os familiares mais próximos, além de alguns amigos e conhecidos da sua comunidade, acompanhando aquela mini procissão. Saíram da casa dele em direção ao bairro do Cruzeiro, onde havia um local de oração, simbolizado por uma grande cruz de madeira de lei, edificada no centro de uma praça.

Após os rituais de orações de praxe, fielmente praticados e cultuados pelos seguidores de Cristo e do Senhor do Bonfim da Bahia daquela região, sua promessa fora, finalmente, cumprida. Pessoas que professam outras crenças e, certamente, têm outras formas de fazer seus pedidos a Deus, por intermédio de Seu Filho Nosso Senhor Jesus Cristo, devem estar se perguntando:

- Será que tudo isso que o autor acabou de narrar, aconteceu mesmo? E ele prontamente responder-lhe-á, valendo-se, é claro, de outra pergunta e de sua efetiva resposta:

- Não está acreditando? Então, vá à cidade onde Billy nasceu, a qual fora originada da antiga comunidade conhecida como Cafundós de Judas, situada lá nos rincões do sertão do estado da Bahia e indague as pessoas com idades entre setenta e cem anos, que naquele dia estiveram com ele e a mãe dele,  participando daquele evento religioso.

Acredito que tais pessoas lhe darão muito mais detalhes acerca dos motivos que ensejaram a realização dessa promessa paga por Billy e a mãe dele. Os detalhes que serão mencionados por essas testemunhas oculares, decerto, serão bem mais consistentes que esses poucos registrados neste conto que relata um episódio eivado de muito amor e fé cristã.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 66 vezesFale com o autor