Usina de Letras
Usina de Letras
72 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60367 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3194)

Ensaios - (9716)

Erótico (13520)

Frases (48255)

Humor (19555)

Infantil (4830)

Infanto Juvenil (4180)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139367)

Redação (3119)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Peça_de_Teatro-->Las viudas de Che (As viúvas de Che) -- 11/10/2000 - 17:47 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Festival Internacional de Teatro de Havana – Ano 2000

Vencedor do 1º Prêmio: Las Viudas de Che

Produção luso-cubano-brasileira
Duração: 120 segundos.

Produtor: Augusto Bualdo
Diretor: Gerald Thomate
Assistente de Direção: Frei Beatto
Roteiro: Saramágico (*)
Música: Chico Bê de Hollambra
Cenografia: João Eme Malles
Assistente de cenografia: Marcinho Pevê
Sonoplastia: Bené e coral
Assistente militar: Zé Di Ceu
Treinamento de atores: Mister Stedile do Taquari (MST)
Instrutor da kalashnikov: Fernando da Beira
Ponto: Genú do Araguaia
Ator: Paulo Setti (como Che)
Atriz: Luz Célia Esse
Figurino: Cecília Coambra
Maquilagem: Marta Suplício
Participação Especial: Fidel Castrus

(*) penúltima magia: esconder um Nobel na manga



Cena 1

Aparece Che Guevara, com sua indefectível boina.

- Hay que endurecer... – diz Che.

Tátátátátátátátátátátátátátátá. Começa o fuzilamento de mais 50 condenados, no paredón cubano. Um a um, vão caindo mortalmente todos os infelizes. As novas "viudas" de Che não param de chorar.


Cena 2

Um botão de rosa é entregue por Che a uma das "viudas". Che vira o rosto até a platéia, pisca maliciosamente o olho esquerdo (comunista só pisca o olho esquerdo) e diz:

- ... pero sin perder la ternura jamás!

Uma fila de "viudas", no cemitério, passam também a receber flores de Che.


Cena 3

Che entra no prostíbulo e faz os primeiros "aquecimentos" para montar em uma jinetera – "una viuda de Che".

- Hay que endurecer! Hay que endurecer! – repete Che.

Após alguns instantes, geme a jinetera, com os olhos esbugalhados de tanto gozo:

- Che Vara! Che Vara!


Cena 4

Che finalmente atinge o orgasmo, gritando:

- Socialismo o muerte! Hasta la victoria! Siempre!

Após o grito, Che leva as mãos ao peito e cai inerte na cama ao lado da jinetera


Uma voz em off finaliza a peça:

"Assim morreu Che. O Exército Boliviano passa a ser acusado de matá-lo, mas comprova-se que os ossos encontrados posteriormente na Bolívia são de um jumento. Os ossos verdadeiros de Che nunca saíram de Cuba".


Crítica:

"Enfim, o revival do cinema brasileiro!" (Revista Óia)

"Orgasmaticamente perfeito!" (Arnaldo Jaburu)


Não perca! Curta temporada em todos os teatros das principais capitais e em todas as telas de Usina de Letras, com som realplayer, para audição da sonora kalashnikov: tátátátátátátátátá.

Roteiro impresso pela Editora Titica, encontrado nas melhores livrarias da cidade.


F I M


Copyleft by F. Maier:
De acordo com a Resolução Final do Forum Social Mundial (FSM 2001), realizado em Porto Alegre, nada de copyright (right, essa coisa nojenta da direita!): todos estão autorizados a copiar este texto (copyleft), desde que citada a fonte.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 490Exibido 2231 vezesFale com o autor