Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
215 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57825 )
Cartas ( 21201)
Contos (12755)
Cordel (10224)
Crônicas (22042)
Discursos (3145)
Ensaios - (9163)
Erótico (13441)
Frases (44851)
Humor (18808)
Infantil (4037)
Infanto Juvenil (3013)
Letras de Música (5488)
Peça de Teatro (1325)
Poesias (138416)
Redação (2969)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2414)
Textos Jurídicos (1931)
Textos Religiosos/Sermões (5110)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->26.06.2020 - Diário da Pandemia -- 26/06/2020 - 16:02 (TARCISO COELHO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

https://youtu.be/Pp_0L1GeHE4

 

Diário da Pandemia

 

Quantas vidas vividas?

 

Acredito que ganho do gato. Sete vidas? Fichinha...

Em 1981, adido na Agência BB – Parnamirim (PE) residia no alojamento improvisado da AABB e fazia refeições na Pensão de Dona Rita, que nos servia comida caseira da melhor qualidade. Não raro, nos servia para jantar, um simples, mas delicioso, cuscuz com leite. Em cada prato, entre cinco e oito comensais, um generoso cuscuz fumegante, e em um panelaço de alumínio reluzente, muito leite quentinho e coberto por grossa e amarelinha camada de nata, para que cada um de nós nos servíssemos à vontade. Com a concha do leite à mão, o colega Romildo garimpava a nata para seu cuscuz e, ansioso, observei: ei colega, os outros também gostam de nata; impassível, o colega, até hoje um grande amigo, esboçou leve sorriso e disse: “sei; mas ninguém gosta mais que eu”.

Carrego na memória paquidérmica da cabeça chata de cearense que Deus me deu, cada instante vivido nos últimos 65 anos, vindo à tona, de fragmentos à completas histórias dos lugares em que vivi. Hoje, lembrei Portel (PA), de onde um dia parti, com vontade de ficar.

 

Portel (PA) para Aracati (CE)

 

Vou embora de novo

Para o querido Ceará

Lugar em que nasci

Mas pouco morei lá

Se saudades eu senti

Fico feliz ao retornar

 

Vou para beira do mar

Lugar mais lindo dali

Onde o Jaguaribe emboca

Nas praias do Aracati

Lá viverei a saudade

Que sempre terei daqui

 

Ao Pará que me acolheu

Deixo o agradecimento

Por tudo que aqui tive

Que não terá esquecimento

Principalmente da beleza

Como vivi cada momento

 

Pessoas que me são caras

De mim se despedindo

Sem ter motivo pra choro

E todo mundo sorrindo

Pois se agora me vou

É porque tem alguém vindo

 

A Conceição minha Gerente

Digo o meu muito obrigado

Pelo reconhecimento

Do trabalho abnegado

Pois você muito contribuiu

Para o momento chegado

 

A todos os meus colegas

Presentes aqui ou não

Deixo o meu grande abraço

E um forte aperto de mão

Para que fique a certeza

Que vão em meu coração

 

Diléia, Leandro e Márcio

Vívia, Alex e Marco Antônio

Rosana, Joquebede e Caroline

Cada um busque o seu sonho

E pra reverem o amigo

Lá no Ceará me ponho

 

Alam, Dinaldo e Júnior

Nicinha e Teixeira

Sejam sempre felizes

No trabalho e brincadeira

Não importando o dia

Se segunda ou sexta-feira

 

Ivone amada minha

De mim outra metade

Obrigado pelo carinho

E sua imensa bondade

Por isso tê-la comigo

É minha maior vontade

 

Assim me despedindo

Foi chegada minha hora

Pra todos chega o seu dia

Cedo ou tarde vai embora

Vou feliz pro Ceará

A minha hora é agora.

 

Portel, (PA), 25.08.2012

 

Tarciso Coelho *

 

*Luiz TARCISO COELHO Bezerra, é Poeta, Contador, Administrador, ex-Auditor Interno do Banco do Brasil – Aposentado, ex-Técnico Bancário do Banco da Amazônia, em Soure e Belém (PA), Membro Efetivo da União Picoense de Escritores - U.P.E., em Picos (PI) e do Clube do Escritor e do Poeta Marajoara – CPOEMA, em Soure (PA). Através de novo concurso público retornou ao Banco do Brasil em 2011. Hoje é Caixa Executivo na Agência BB-Cedro (CE).

 

Caro colega e amigo Romildo invoquei seu desmedido apetite por cuscuz com leite, e nata principalmente, para assegurar que do Banco do Brasil, do Brasil e de viver, os outros também gostam; mas ninguém gosta mais que eu.

Que Deus nos Dê vida a todos; e vida em abundância.

 

Lugares onde vivi nas décadas de:

1950: Várzea Alegre e Cedro (CE);

1960: Cedro (CE);

1970: Cedro e Crato (CE) e Salgueiro (PE);

1980: Salgueiro, Parnamirim e São Vicente Férrer (PE), Juazeiro do Norte (CE), Piancó (PB) e Manicoré (AM);

1990: São Vicente Férrer e Recife (PE), Belém (PA), Manaus (AM), São Luiz (MA) e Fortaleza (CE);

2000: Fortaleza (CE), Picos (PI), Rio Branco (AC), Soure e Belém (PA):

2010: Soure, Belém e Portel (PA), Aracati, Fortaleza, Jaguaruana, Mauriti, Farias Brito e Cedro (CE);

2020: Cedro (CE), por enquanto...

 

Últimas Notícias: https://www.uol.com.br/

 

 

Diário da Pandemia

 

 

O Diário da Pandemia

Que inventei de escrever

Jamais teve a intenção

Que não só o meu querer

De o dia a dia registrar

Pra no futuro lembrar

O que estamos a viver

 

 

Mas é preciso dizer

Aqui não vou divulgar

Notícias de tristeza

Já que quero me alegrar

E se esse meu escrever

Nem pouco alegrar você

Mal também não lhe fará.

 

 

Caros Amigos,

 

 

A partir de 22.03.2020, passei a publicar versos meus em outras situações, retornando ao assunto em pauta apenas eventualmente.

 

Fique á vontade para lê-los ou relê-los no seguinte endereço:

 

www.usinadeletras.com.br

Autores

Letra T

TARCISO COELHO

Contos

 

Obs.: Fico grato pelas visitas, inclusive a outros trabalhos lá publicados, bem como aos comentários que tiverem a bondade de escrever.

 

 

 

Abraços a todos.

 

 

Tarciso Coelho, Crato (CE), 26.06.2020.

 

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui