Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
185 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58147 )
Cartas ( 21211)
Contos (12856)
Cordel (10239)
Crônicas (22090)
Discursos (3147)
Ensaios - (9227)
Erótico (13452)
Frases (45297)
Humor (18938)
Infantil (4160)
Infanto Juvenil (3233)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138718)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5252)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->A pedido de Daniel Fiuza -- 30/09/2004 - 07:16 (Jorge Ribeiro Sales) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A despedida de Daniel Fiúza; Para os amigos e leitores.



Autor: Daniel Fiúza.

28/09/2004



O senhor Waldomiro

Fez um gesto teatral

Tirando os não assinantes

Sem um aviso formal

Quem construiu e divulgou

Mesmo sendo fundador

Transformou-se em jogral.



Gesto ditatorial

No veto da ingratidão

Não mandou aviso prévio

Fez tudo de supetão

Mandou todo mundo embora

Esquecendo de outrora

Quem antes lhe deu a mão.



Achou nessa solução

Que resolveu seu problema,

Do direito adquirido

Esqueceu até do tema

Simplesmente deletou

Nenhum aviso mandou

A ditadura foi o lema.



Matou e foi ao cinema

E tem gente que gostou

Pra se livrar de alguns

De todos já se livrou

Gente boa foi embora

A arte perde e chora

Só Waldomiro ganhou.



Mais uma vez triunfou

O comércio nessa parte

Morreu poeta e artista

Assassinaram a arte

Em nome do vil metal

Mercantilismo fatal

Todo o resto é descarte.



Levantaram o estandarte

E os tambores rufaram

Waldomiro e sua turma

Na certa se deleitaram

Com uma penada apenas

Tiraram todos de cenas

Deixando os que pagaram.



Aqueles que concordaram

Vão sentir a diferença

Caindo no ostracismo

A perda será imensa

Pra todo mundo é ruim

Será o começo do fim

A decadência da crença.



Quem nos outros não pensa

Fazendo absolutismo

Numa grande intolerância

Negando o catecismo

Valores irá perder

Se nunca se arrepender

No seu obscurantismo.



Depois desse despotismo

Parto sem dizer adeus

Pros colegas e leitores

Que fiquem todos com Deus!

Foi bom enquanto durou

Alguma coisa ficou

Com alguns amigos meus.





Amigos, quem quiser vê meus cordéis, poemas e outros escritos, pode dar uma navegada no site da Magriça. Lá será meu novo domicilio literário. http://www.notivaga.com/



Espero vocês lá



Daniel Fiúza.







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui