Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
160 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58333 )
Cartas ( 21214)
Contos (12903)
Cordel (10243)
Crônicas (22125)
Discursos (3153)
Ensaios - (9265)
Erótico (13457)
Frases (45517)
Humor (18993)
Infantil (4224)
Infanto Juvenil (3322)
Letras de Música (5512)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138820)
Redação (3010)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5301)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Padre ventrilóquo... -- 20/04/2020 - 05:45 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Padre ventrilóquo


E, vindo de trem da cidade, o padre chegou na  estaçãozinha do povoado, num fim de tarde, onde já estava um garoto de seus doze anos a esperá-lo numa charretezinha. Era um bom estirão para se chegar dali ao casario, coisa duns vinte minutos...

A visita paroquial incluía atos como confissões, celebração de missa, benzeções, catecismo. Era a primeira vez que Adroaldo realizava aquela nobre função de apanhar o vigário, padre Evaristo. Geralmente era seu pai
que dela se desincumbia.

Adroaldo era um menino da roça, olhar esperto, umas espinhas já nascentes e outras particularidades já mais precoces. A voz é que ainda oitavava, misturando sons graves aos esganiçados agudos.

Ele, sentado no banquinho da frente, e padre Evaristo aboletado no banco da carroceria, mal deu início à marcha, quando seus acurados ouvidos, estarrecidos, distinguiram uns latidos falados cumprimentando a cachorrada vadia que rondava a charrete e ia ficando para trás. Padre Evaristo era ventrilóquo. Conversava com os animais...

Um pouco mais adiante, o papo foi com umas vacas, esse bem mais distinguível, trocado ideias sobre o preço do leite, o medo de passar na frente açougue, a falta de sensibilidade do touro com aquela sua afobação pra fazer seu serviço...

Depois vieram um cumprimento, e consequente resposta, a um burro que girava em torno de um moinho de cana, e um animado papo com um urubu que das alturas dava as boas vindas ao colega de batina preta...

Extasiado com aquela habilidade do cura, o menino até reduziu a marcha
da charrete para encompridar a viagem, tão aprazível aos seus ouvidos e conhecimentos daquela revelação: os bichos falavam sim...era um milagre...e transportado naquele embalo foi que se deu conta, de repente que o próximo alvo de circunlóquio seria o curral das cabras...

Aí, caladão que era, mais que depressa veio-lhe o estalo, meio gaguejante, mas bem firme:

- Oh, sô padre, o sôr num dá cunversa praqués cabrita não, ès é tudo mintiroooosa....!
Paulo Miranda
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 44 vezesFale com o autor