Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
281 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57829 )
Cartas ( 21203)
Contos (12773)
Cordel (10224)
Crônicas (22043)
Discursos (3145)
Ensaios - (9165)
Erótico (13441)
Frases (44865)
Humor (18812)
Infantil (4038)
Infanto Juvenil (3020)
Letras de Música (5488)
Peça de Teatro (1325)
Poesias (138421)
Redação (2970)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2414)
Textos Jurídicos (1931)
Textos Religiosos/Sermões (5118)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Faia, bétula e lárix -- 12/02/2020 - 22:11 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Faia, bétula e lárix

Nazaré, aquele encanto de morena, era a mestra de Geografia. Casada embora, toda moçada não via a hora, de ser o homem de Nazaré... Eu não sabia com qual delas a atenção dividia. Afinal tinha meus treze anos e, pela frente, conquanto fremente, tempo e quota para enganos e desenganos.

Sei que o gosto pela disciplina precedia o apreço desmesurado pela professora, mas como ambos se fundiam, tudo parecia casamento perfeito em demasia. Será que ninguém sabia?

Assim, senti-me meio vitorioso, e quase vitoriano, no dia em que resisti a uma aparente insolência da mestra, ao brincar com um colega já bem mais maduro, e muito bom aluno, por seguro, ao chamá-lo de primo, pois ele, como ela, era Lemos. Vitória pírrica aquela.

Entretanto, quando vinham as notas, eu me refestelava, e em provas quase perfeitas já me habituava, e a meiguice de Nazaré tudo amenizava.

Faia, bétula e lárix entraram numa de suas exposições rotineiras, no capítulo da cobertura vegetal do Canadá, e esquecê-lo, ainda não dá, apesar de mais de cinquenta anos.

E por acaso e pelos caminhos que me conduziu a Geografia, tive uma passagem pelo Canadá, dois anos e meio, com dois longos invernos de recheio. Não cheguei a me aventurar pelas matas do país para tornar-me mais íntimo dessa vegetal trindade, e nem ao menos recorri aos dicionários para decliná-la em inglês e francês, línguas oficiais do Canadá. Guardá-la em bom português já dá. Com fé em Nazaré.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 41 vezesFale com o autor