Usina de Letras
Usina de Letras
25 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61962 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50375)

Humor (19998)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4725)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140716)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Começo -- 01/07/2001 - 19:53 (Arnaldo Sisson) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




À criança que nasci mentiram o mundo

cheio de fanfarras e farsas, um doce para a obediência

e a ruína em cada vontade de andar por meus pés

sem mãos a pegarem nas minhas.



Tudo que havia era simples, mágico e bonito, a geladeira enorme,

o quarto misterioso e grande, onde me parecia,

meus pais lutavam à noite.



As coisas em volta eram para olhar e ouvir, catar e cheirar,

era tudo bom de saber, tudo exato e não tinha de encaixar prá fazer sentido,

como aquelas peças nas caixas de paisagens que me davam prá montar

e ficar triste de não correr e não brincar de sujar a roupa.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui