Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
109 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57043 )
Cartas ( 21170)
Contos (12600)
Cordel (10078)
Crônicas (22200)
Discursos (3134)
Ensaios - (9000)
Erótico (13395)
Frases (43638)
Humor (18454)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2687)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138232)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4851)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Teses_Monologos-->[Citações] -- 03/02/2004 - 01:32 (Darlan Zurc) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Última atualização: 7-10-2003.
Nº. de textos: 1.
--------------------------------------------------------------------------------------------


I

Brasil Colônia: um olhar diferente

SILVANA NERI DOS SANTOS


O Brasil Colônia na maioria dos seus estudos recebeu um olhar de macro-história, um olhar de aspectos econômicos, um olhar que partia do externo para entender o interno. Com a obra de L. [Laura] de Mello e Souza, “O Diabo e a Terra de Santa Cruz”, o Brasil Colônia parece ter vislumbrado um olhar interior, de micro-história, não no sentido restrito da palavra, mas no sentido de estar relacionado ao macro de forma autônoma, não apenas dependente.

(...)

Bom, “O Diabo e a Terra de Santa Cruz” reafirmando a trajetória historiográfica assentou-se à pesquisa documental, nas visitações, devassas eclesiásticas e processos de réus brasileiros existentes no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. E como foi citado anteriormente, [o livro] “trata da feitiçaria, das práticas mágicas e da religiosidade popular no Brasil colonial dos séculos XVI, XVII e XVIII, abarcando as regiões da Bahia, Pernambuco, Paraíba, Grão-Pará, Maranhão, Minas Gerais e Rio de Janeiro” (SOUZA, p. 18).

(...)

L. de Mello e Souza mostra em sua obra uma variedade de leituras a exemplo de [Gilberto] Freyre, o qual, em sua análise sobre a colônia, “insere na sua explicação aquilo que denomina catolicismo de família... relegando as manifestações indígenas à mata sombria, e as africanas à insalubridade da senzala...” (idem, p. 87), aqui não fazendo uma crítica ao autor [Freyre], mas em outra oportunidade critica-o dizendo que o mesmo se ateve às manifestações culturais da elite; e a exemplo de [Michel] Foucault, que na terceira parte [segundo Darlan Zurc] “vemos mais nitidamente as acepções foucaultianas acerca da sexualidade e sobre o discurso e suas relações sociais — onde a autora detalha, por meio de diversos documentos eclesiásticos, o que ela chama de ‘discursos imbricados’ entre os inquiridos e a Mesa de Visitação — e completa fazendo uma espécie de micro-história de personagens importantes (acusadas de praticarem feitiçarias ou outros ritos não-cristãos)” (*).

(...)


______________________________
(*) ZURC, Darlan. “Da colonial imaginação brasilo-dantesca”. Texto inédito. Feira de Santana, 1999.



Silvana Neri dos Santos é licenciada em História pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Bahia.


Nota de D.Z. (30-7-2003): O texto acima, de novembro de 2000, é uma resenha acadêmica do livro “O Diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial” (São Paulo: Companhia das Letras, 1ª. ed. 1986, 396 pp.), da historiadora Laura de Mello e Souza, filha do crítico Antonio Candido. O meu texto, por outro lado, que Silvana Santos cita, está sendo inteiramente modificado e, por enquanto, não se encontra pronto.





© Copyright. Todos os direitos autorais reservados. A reprodução total ou parcial é permitida desde que citada a fonte. Mais informações e contato: darlanzurc@ig.com.br

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui