Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
210 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59142 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9441)

Erótico (13481)

Frases (46534)

Humor (19286)

Infantil (4462)

Infanto Juvenil (3732)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138253)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5528)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->ILHA DO MEDO -- 04/04/2018 - 17:25 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.




A ILHA DO MEDO



Distraidamente,  Morgana permitiu que imagens de uma gruta úmida e escura invadisse o mais profundo de seu ser. Precisava remover aquelas cenas. Tinha medo de solidão, de escuro e de tudo que a isolava do contato com o mundo exterior. Quis mudar a linha de pensamento, mas percebeu que seu medo se afastava, na medida em que enfrentava o próprio medo.

Sairia devagar do sonho, com cuidado, como se não tivesse medo de sonhar. Não queria acovardar-se diante da luta contra o invisível, nem podia interromper as fantasias que visitam o mundo imaginário de um sonhador.  O sonho pode ser a ponte entre o impossível e o concrescível. Mas chegar ao ponto de querer morar numa ilha é fantasioso demais. 


— Quem sabe, na ilha do amor. Quem sabe? 
— Borboleta não fica presa numa ilha.
— Borboleta em que sentido?
— No sentido de querer voar sem conhecer limites ou horizontes. O Isolamento linguístico e o atraso cultural não têm ouvidos para o saber.
— Posso sonhar... Os sonhos tornam a vida mais bela.

Baixou a cabeça, como se apanhada pela síndrome da ilha.

 — Não fique triste. Tristeza não cabe em teu rosto. Saia do casulo. Sonhe colorido.
— Estou mais  para o tom cinza...
— Tenho medo de cinza. Prefiro o azul-celeste. 

Cinza  é pó do lenho que queimou ao fogo da paixão. Dá tristeza o tom cinza, depois que a chama se apaga.

Olhou discretamente para o garçom.

— Pois não, senhorita!
— A conta, por favor!

Morgana deixou sobre a bandeja uma nota de cem reais.

— Não quero troco.

O garçom liberou um sorriso comercial e acumulou em suas reservas mais vinte por cento além da comissão.

— Vais de táxi?
— Não! Meu motorista já chegou. Queres uma carona?
— Obrigada! Vou de metrô.
— Não é por acaso que te chamam de ‘a dama do metrô.'

Riram.

— Gosto de reparar o rosto das pessoas na estação.
—  E queres trocar a cidade por uma ilha desabitada?...
— Vivo numa ilha dentro de um universo de falantes que não me compreendem.
— O homem é uma ilha, se assim o quiser.  Que tens a fazer numa ilha deserta?
--- Gosto do bosque. E quando posso, me afasto da cidade. G
osto de sonhar, dormir tendo por teto as estrelas. 

— Aprecio o bucólico e também o  urbano, cada um em seu tempo. Não creio que alguém possa viver eternamente numa ilha. Dirias  a teu filho que há um mundo  perigoso,  depois do paredão das águas? Que depois da muralha existem pessoas que matam seu semelhante  para roubar um  tênis?  Não estarias instituindo a teoria do medo?  E se ele te perguntar: "Mamãe, o que é um tênis?..."
— Gosto de mistérios, e toda ilha tem seus mistérios. 
— Talvez tenhas medo da solidão.  Neste caso, o veneno é antídoto do próprio veneno. 

Fez uma pausa. Tomou um gole de chá. Olhou para Ravenala que se mantinha em silêncio, e prosseguiu:

 — Se teu filho perguntar: ‘Existe outro mundo além deste universo azulado? Não lhe falarias de moda, avanços tecnológicos e outras coisas boas que há no mundo?  Não queiras tornar-se pregoeira do niilismo. Alguma coisa precisa ser feita para retomar a vida de paraíso que tiveram nossos primeiros pais. Não cruzemos os braços! 

***

Adalberto Lima, "Estrada sem fim..."






Adalberto Lima




Enviado por Adalberto Lima em 04/04/2018

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 1Exibido 325 vezesFale com o autor