Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
114 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59142 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9441)

Erótico (13481)

Frases (46534)

Humor (19286)

Infantil (4462)

Infanto Juvenil (3733)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138253)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5528)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Clara e Francisco(miniconto) -- 31/03/2018 - 21:12 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.



 






Persignou-se.
Selou com o sinal dos cristãos a testa, a boca e o peito. Levantou-se.
Tomou a porta de saída, e  foi seguido pela voz que brotava de seu interior: 

A muitos, ensinaste,  deste força a mãos  frágeis. Tuas palavras levantavam aqueles que caiam. Agora tu mesmo enfraqueceste. E em lugar do pão tens o soluço. 


Fechou a igreja, andou a passos largos até o beco dos aflitos e entrou na tenda do pecado.

Era dia de finados do ano que já passava de dois mil.

— Bom— dia, minha filha!  O padre não tem quem lhe faça o almoço hoje — disse ele ao deparar-se  com Chanana a recolher, apressadamente, as calcinhas estendidas no varal — desculpe-me por não anunciar minha chegada. 

— Entre.

— Os cães não pedem permissão para comer as migalhas que caem da mesa do rico.
— Bem vindo homem de Deus. 
— Não tenho mais certeza se estou a serviço de Deus. Eu bem sei que tu és Clara, e eu, um cisco na casa de Assis.

— Clara, eu? Sou uma nesga de Sol, tentando rasgar o negrume das minhas noites de insônia.

— Se falas dos espinhos da carne, eles me ferem, mortalmente, nas poluções noturnas que tenho em sonho com uma paroquiana. Dormindo ou em vigília, meus pesadelos me acompanham. 

— Evite pensar na pessoa que tem sido a causa de suas elucubrações.

— Não consigo vê-la sem que me venha o desejo de tocá-la, sentir a maciez de sua pele, acariciar suas mãos e cabelos. E porque não posso fazer corporalmente,  meu pensamento vai aonde a mão não alcança.

— Espinhos da carne.

— Sim. O homem que mortifiquei em mim, quer ressurgir das cinzas. E essa chama que arde sem queimar tem nome.

— Amor platônico?

— Não. Chanana Tupixá.

— Cruz credo. Não quero ser motivo de escândalos. Se alguém se perder por causa do meu pecado, serei culpada de morte, e ambos iremos para o inferno. 

— Somos   pedra que anda. E mesmo destas pedras, Deus pode suscitar filhos de Abraão. 

— Queres dizer: pedras que se consomem?

— Sim.  Que se consomem de amor, como gelo que derrete na presença do fogo.

— Ai daquele que for motivo de escândalo para o semelhante.

—Tu podes ser o atrativo que Deus quer usar para revelar minha vocação. 

— Podemos ser amigos na fé. Contanto que sejamos prudentes.

— Sinto restauradas minhas forças, quando estou em tua presença. Vais me negar isso? 

— Não sou deusa do amor. Se me conheceres melhor, quebrará teu encanto por mim.  

— I love my life, because…

  -- Vi o filme. Não precisa concluir a frase. Nem traduzir. 

 -- Gostaria de ter sido eu  o autor desta obra.

— É uma Linda história de amor escrita por Erich ....Podemos ser amigos, contanto que respeites minha condição de casada. Sejamos prudentes. Se for vontade de Deus, seremos como Clara e Francisco.

***
Aalberto Lima, trecho de "Estrada sem fim...)
Contato: adalbertolimapoetadedeus@gmail.com




Adalberto Lima


Enviado por Adalberto Lima em 31/03/2018




Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 1Exibido 329 vezesFale com o autor