Usina de Letras
Usina de Letras
22 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61963 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50380)

Humor (20000)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4726)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140717)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6142)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Erotico-->ESTRANHA INSPIRAÇÃO -- 16/02/2006 - 02:29 (Antonio Maria Chaom) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Acendeu mais um cigarro, apagou tudo o que havia escrito até então e resolveu mudar a linha do conto que tentava escrever. Três horas mudando de assunto e não produziu uma linha que o deixasse satisfeito. Recomeçou.
Escreveria algo engraçado. Acertara: um conto de humor, mas... por onde começar? Contar uma festa caipira? Um batizado ou um casamento na roça? Talvez os dois. Isso. Uma noiva que dava à luz a um filho diante do altar da igreja. Ótimo.
O filho se chamaria Severino e aprenderia a ler e escrever numa escola também do sítio. Um dia leria trechos de um velho romance e resolveria ser escritor. Escritor medíocre, sem técnica e o pior: sem inspiração para escrever algo que.... porra! Esse era ele!

Não se chamava Severino, não nascera durante a cerimônia de casamento de sua mãe, mas também queria ser escritor. Já escrevera alguns contos. Sofríveis, mas escrevera. Agora que começava a se sentir maduro, que até tinha até estudado bem a gramática, faltava-lhe o essencial: inspiração.
Sentiu um aperto no peito e encheu os olhos de lágrimas. Silenciosamente levantou-se e foi ao banheiro.

Tirou a roupa, abriu um pouco o chuveiro e, como costumava fazer, colocou o pênis sob a água e mijou deliciosamente. Também como sempre, o membro excitou-se no contato com a água morna. O desfecho era conhecido: agora sentaria sobre a tampa do vaso sanitário e gozaria numa relaxante masturbação. Esqueceu a falta de inspiração e procurou concentrar-se num bom motivo para um gozo melhor ainda. Lembrou-se de Ivete.
Era inacreditável que entre tantos nomes fosse lembrar alguém da infância vivida na fazenda de cana-de-açúcar.

Segurou o pênis e começou a apertá-lo ligeiramente. Sem pressentir iniciou uma retrospectiva de sua infância, mas só das coisas relacionadas com sexo: as mulheres tomando banho quase nuas.; o resfolegar noturno dos pais no quarto ao lado.; o galo, os patos, o cachorrão enganchado com a cadelinha assustada.; o cavalo com sua ferramenta enorme preenchendo o rasgo da égua.; Gilmar, o veadinho que dava por chimbras... A cada lembrança sua excitação aumentava e de repente a idéia nasceu: por que não escrever suas peraltices sexuais?
Levantou-se apressado enrolou uma toalha na cintura e voltou ao computador.

Em menos de meia hora já havia escrito quase dez páginas e não pensava em parar. Havia ainda muita coisa a colocar no papel. Daria um livro inteiro. Escreveria no ritmo em que estava: calmo, concentrado e... sempre excitado! De vez em quando, nos intervalos entre uma linha e outra de raciocínio, apertava o pau roxo de tesão. Não queria parar. Masturbar-se agora afetaria a inspiração e ele não queria deixar muita coisa para depois.
Estava iniciando um novo tópico quando a campainha tocou.
Abriu a porta. Era Raul, um garoto de13 anos que lhe servia como "office-boy".
- E aí, Mauro? Vou descer amanhã pro comércio. Vai mandar comprar alguma coisa?
- Vou. Vou, sim. Escuta, agora eu estou meio ocupado... Daria para você passar amanhã antes de descer?
O garoto pensou um pouco e ele ia dizer que não tinha nada para mandar comprar quando o telefone tocou. Era sua mãe ligando da fazenda. Dona Marta ligava uma vez por semana, mas quando o fazia esquecia do tempo para ficar ouvindo o filho e lhe contando as novidades do campo. Mauro passou a ligação para o quarto e Raul tomou o seu lugar em frente ao computador.

Ao contrário da maioria dos garotos de sua idade, o jovem gostava muito de ler e sempre dava sua opinião nos textos escritos por Mauro. Voltou o texto para o início e começou uma leitura silenciosa e cada vez mais interessada.
Dez ou doze minutos foram passados antes Mauro retornar à sala. Sorriu ao observar a concentração do adolescente.
"Esse aí tá furando as calças" - pensou maliciosamente.
Raul notou a sua presença, mas não esboçou nenhuma reação. Eram bastante amigos, quase irmãos, afinal apenas seis anos separavam suas idades.

O texto estava quase no fim quando o autor observou um pequeno erro de digitação. Debruço-se sobre o garoto para pegar o mouse. Raul havia terminado a leitura e virou a cabeça, ficando com o rosto a poucos centímetros do rosto do amigo. Mauro tomou um choque ao senti-lo tão perto. Os lábios grossos e bem feitos.; os olhos negros e grandes.; novamente a boca, lábios entreabertos... sentiu-lhe o hálito gostoso!
O escritor sentiu um calafrio e saiu da incômoda e excitante posição. Tentando se refazer, perguntou:
- O que achou do texto?
Raul levantou-se, contornou a cadeira e pôs-se diante do amigo.
Sua expressão era incomum. Estava sério, mas numa seriedade cândida e frouxa.; sonhadora... carregada de luxúria! Por alguns instantes permaneceram calados. De repente Raul baixou o calção e a cueca:
- Olha como eu tou!

Mauro, de boca quase escancarada, viu diante de si a beleza pura e perigosa do garoto. Jamais pensou em ficar assim frente à visão de um homem nu. Mas Raul não era um homem. Naquele instante era apenas um menino mágico que queria enfeitiçá-lo com aquela rígida e latejante vara de condão. Seus tenros pelos pubianos brilhavam enfeitando o tronco daquela arvorezinha de prazer e subiam para simbolicamente refazer a relação sexo-vida num imaginário cordão umbilical.
O pequeno deus, deus profano e tentador, estava sem camisa e seus peitinhos projetavam-se ligeiramente pela presença das pedras que marcam o fim da inocência sexual. Mauro tremia e nada respondeu quando o rapazinho perguntou-lhe:
- Quer pegar?
Diante do silêncio, Raul deu mais um passo e falou, num misto de pedido e ordem:
- Toma, pega! Pega, vai!
Mauro jamais soube explicar como sua mão tocou àquele instrumento macio e quente. Forçou levemente o prepúcio para trás e descobriu a glande brilhante, ligeiramente lubrificada. Massageou toda aquela cabeça vermelha e pulsante, deixando-a cada vez mais lisa.
Ergueu os olhos daquela peça hipnotizadora e encontrou o olhar do menino. Era um olhar diferente, carregado de sono, embriagado de desejo. Fitou-lhe demoradamente sem deixar de massagear o pênis enlouquecido daquela pestinha que lhe abria os olhos para uma nova aquarela no mundo do sexo.

Carinhosamente Raul colocou a mão direita por trás da cabeça do rapaz e o puxou até seus lábios se tocarem. Beijaram-se. Nas mãos de Mauro, o cacete do menino parecia querer explodir. Depois a mão do adolescente colocou-se no ombro do outro e o forçou para baixo delicadamente. Como se tudo estivesse devidamente ensaiado, Mauro compreendeu e obedeceu. Curvou as pernas e ajoelhou-se diante do pequeno deus da luxúria.
Agora a visão era estonteante. O pênis do moleque roçava-lhe o rosto com ligeiros impulsos. Tudo estava perdido: adeus ao pudor, ao preconceito, ao bom senso... tudo era sexo. Sexo, prazer, gozo!

Cheirou demoradamente a cabeça do maravilhoso pau. Aquele cheiro matava, mas matava de prazer. Não havia nada de sujo, não havia nojo: só o cheiro puro do adeus à infância inocente e o ingresso na ávida puberdade. Raul estava entrando em um mundo novo e ele, Mauro, embora desconhecesse aquela porta de entrada, sabia ser o passaporte do garoto. Sentiu-se feliz e orgulhoso.
Fechou os olhos e deixou-se flutuar no prazer. Abraçou o moleque pela bunda e devagar, prazerosamente, foi deslizando os lábios pelo pau quente e úmido até agasalhá-lo na boca. Fez movimentos com a língua e engoliu a saliva misturada ao líquido lubrificante. Com uma das mãos afagava os dois belos colhões e com a outra acariciava a bunda do rapaz.
Raul acariciava os cabelos de Mauro e forçava o conjunto sexual contra o rosto dele.
De repente Raul retirou o pênis da boca do companheiro e se afastou por dois passos. Livrou-se de toda roupa e reaproximou-se do outro. Fez com que se deitasse no chão e escanchou-se sobre o seu peito. Em seguida, adiantou-se em direção rosto de Mauro e ficou de cócoras sobre ele. O rapaz lambeu-lhe os testículos e, escorregando para baixo, fez com que o garoto ficasse quase sentado sobre seu rosto. Sentiu-lhe o cheiro do. Não cheirava ruim, era um cheiro natural, característico! Havia asseio, muito asseio e... muito tesão!
Lambeu-lhe o ânus e ouviu-lhe gemer de prazer. Forçava a língua sem êxito contra o pequeno orifício natural e isso fazia crescer o desejo em ambos. Percebeu que Raul não conteria o gozo por mais tempo. Aguardou.
Raul se contorcia como sentindo uma dor insuportável. Baixou a bunda e pôs o órgão sobre a boca do parceiro. Foi o tempo necessário para que o esperma quente se lançasse com fúria sobre o rosto do escritor. Mauro movimentou-se rápido e recebeu na boca o resto da poção levemente adocicada, enquanto se masturbava e obtinha um prazer jamais alcançado em seus anos de folia sexual.
O garanhão furioso deu lugar a um potrinho domado e dócil que beijou a testa do companheiro antes de rolar para o chão e dormir o resto da tarde.

Mauro ficou deitado ao seu lado por um bom tempo, depois, com um enigmático sorriso, levantou-se e voltou para o computador.
Apagou o que estava digitado e começou tudo de novo.
Trabalhou a tarde inteira sentindo o cheiro de amor no ar e o rosto crespo pelo esperma endurecido. Quando sentia alguma dificuldade para continuar o texto olhava de lado e contemplava aquele corpo perigosamente inocente que lhe proporcionara tanto prazer.; aquele órgão que repousava flácido, mas que era culpado pela baixa causada em sua masculinidade. Sorria e continuava inspirado.






Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui