Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
212 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59060 )

Cartas ( 21235)

Contos (13083)

Cordel (10287)

Crônicas (22190)

Discursos (3163)

Ensaios - (9412)

Erótico (13484)

Frases (46422)

Humor (19255)

Infantil (4425)

Infanto Juvenil (3684)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138173)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5503)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->SONETO DE UM ÉBRIO -- 28/01/2021 - 10:40 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

SONETO DE UM ÉBRIO!

Poeta Andarilho

 

O soneto que escrevo não faz eco

Não consegue ir além de um recanto

Muito embora eu procure o encanto

Que parece ter ficado no boteco.

 

No boteco eu tocava reco-reco

E tentava harmonia com meu pranto

Preferência sempre dei para meu santo

Quando a loira escorria no caneco.

 

No boteco tinha dança... alegria...

Alternando com uma bela poesia

Que um ébrio declamava d’improviso!

 

Entre u’a loira gelada e outra quente

Nem notava que a segunda era gente

(O garçom não exibia um aviso).

 

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 42 vezesFale com o autor