Usina de Letras
Usina de Letras
25 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61956 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10258)

Erótico (13560)

Frases (50363)

Humor (19994)

Infantil (5388)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140713)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->FUTEBOL -- 01/05/2020 - 10:42 (PAULO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

 

 

A taça dourada no gramado
deixa arregalado
o olhar do menino,
porque somente ele sabe,
gol de goleiro é marcado
quando a bola toca
em  traves de papel.

As mulheres não beijam a boca do ídolo
elas o admiram da arquibancada distante,
embora sejam essas fêmeas que trazem
a sensação do gol excitante.

Tudo isso depois dos craques cuspirem
e soltarem palavrões.
Palavrões fazem parte do jogo
e não afetam os ouvidos do juiz
que não chuta a bola,
segue na partida e nas salivações,
mas avisa aos jogadores,
no meio dos seus vocábulos capirotos: 
“Juízes tão perto
são imunes aos seus perdigotos”!

Do livro : As sondas amam

 

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui