Usina de Letras
Usina de Letras
18 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61956 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10258)

Erótico (13560)

Frases (50363)

Humor (19994)

Infantil (5388)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140713)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->FINIS -- 06/04/2020 - 00:50 (PAULO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Que saudade de ti, do teu sorriso,

Do teu olhar tão puramente santo!

Da silhueta virgem que eu diviso

Atravez das cortinas do meu pranto!



Sinto um deserto no meu coração...

Um deserto de gelo e desventura,

E a neve amarga da desilusão

O peito meu transforma em sepultura.



Que frio! Que silencio na minhalma...

Escuto o pranto astral do pensamento

Que pela noite lacrimosa e calma.

Chora a magua fatal do esquecimento.



Que saudade de ti, do teu amor,

Dos sonhos que sonhamos acordados,

Do teu sorriso candido de flor,

Dos castelos por nós idealizados!



Tenho saudade da saudade santa

Que eu sentia por ti! Tenho saudade

Da cor dos teus cabelos, e ela é tanta

Que me castiga assim sem ter piedade.



Que me resta na vida? Que me resta?

Somente a penitencia envenenada

De fingir, de viver na eterna festa.

Na orgia eterna que me leva ao Nada!



Vou viver, vou viver do meu passado!

Não me lamentes, não, por piedade,

Que o meu amor espiritualizado 

Dorme nas mãos de neve da saudade!



Parnaíba – 31/08/1932

 

Envio para este site,  outro poema do meu tio Vicente Fontenelle de Araujo. Ele foi tuberculose por muitos anos antes de falecer no final da década de trinta do século XX. Naquela época a tuberculose era uma doença extrema. 

Penso como será a auto imagem de alguém que tem certeza da proximidade da sua morte?

Vi quando criança um retrato deste meu tio na sala do apartamento das minhas tias. Era o irmão mais velho do meu pai,  mas morrera quase trinta anos antes do meu nascimento... ele  estava naquele retrato e o homem do retrato  parecia um desenho azulado e parecia sorrir envergonhado.



Paulo Fontenelle de Araujo  



* mantive a escrita original


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui