Usina de Letras
Usina de Letras
88 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62145 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13566)

Frases (50551)

Humor (20021)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140784)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6175)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->Lembranças no hospital -- 22/04/2002 - 21:49 (Anecildo Katz) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Interrompi a saudação
que fazia pro Zé Limeira
porque veio uma enfermeira
pra me dar uma injeção.
Disse: "a ver esse bundão",
e eu, que sou velho e arisco
respondi com um belisco
na parte que mais gostava,
que era ali, onde terminava
as costas com fundo risco.

"Vocè é um velho safado",
"Sou um velho moribundo,
e me despeço do mundo
assumindo ser tarado".
"Na vida foi arrojado?"
"Oh, não, fui tímido e fiel,
jamais ocultei o anel
que selou meu compromisso;
vivi a vida num cortiço,
jamais frequentei bordel".

"E esse tal de Zé Limeira,
do qual fala com seu neto?"
"Me desculpe, isso é secreto,
falar seria sujeira".
"O conheceu, ou é besteira
o que se diz por aí?"
"O conheci? Conheci
mas não vou falar mais nada,
o conheci numa estrada,
nunca voltei por ali".

"Fale velho, por favor"
"Só falo se tu...", "Aceito"
disse a moça e eu, com jeito,
lhe disse "Vem, minha flor"
"Com cuidado, meu senhor"
"Não se preocupe, querida,
que neste final de vida
virei doce e delicado,
do jeito que tou quebrado
não tenho outra saída".

Aquela linda enfermeira
que estou lhes apresentando
logo mais foi confessando
ser neta do Zé Limeira.
"Tu neta dele? Besteira!
tão lorinha e delicada!"
Que delicada nem nada!
O que essa moça me fez
não o faziam nem dez,
prostitutas nem drogadas.

Zé Limeira, Zé Limeira,
agora peço tua ajuda!
Que a minha memória acuda
lembrança da tua zoeira.
Essa menina faceira
só voltará a ser amada
se me ouvir, apaixonada,
as estórias do seu vô,
mas eu, velho gigolô,
ai! não me lembro de nada!









Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui