Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
83 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57496 )
Cartas ( 21184)
Contos (12605)
Cordel (10175)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44272)
Humor (18616)
Infantil (3900)
Infanto Juvenil (2846)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138229)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4979)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->CORPOS AFLITOS -- 07/02/2020 - 22:28 (PAULO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 

Diante da morte

são os sobreviventes que se acabam

e para contrastar

são os mortos que existem.

A morte aflige os vivos

que não a compreendem,

mas como são malditos

em sua condição de testemunhas

e o morto já como vestígio

expele a calma do que está posto,

a liberdade do resto

e restos não se incomodam.

Diante da morte

são os vivos que sentem

o barranco que desabou,

o latrocínio;

têm a visão geral absoluta completa

daquilo que foi expelido

e o morto está onde ficará.

Diante da morte

são os vivos que buscam serenidade

no seu sofrimento,

na diferenças entre  seus corpos,

em alguma ordem judicial

quando para o morto

não há mais litígios,

demandas básicas,

ações amorosas.

Ele apenas solta no ar

o processo de sua decomposição,

plácida natureza.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui