Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
206 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57827 )
Cartas ( 21201)
Contos (12765)
Cordel (10224)
Crônicas (22042)
Discursos (3145)
Ensaios - (9164)
Erótico (13441)
Frases (44857)
Humor (18809)
Infantil (4038)
Infanto Juvenil (3015)
Letras de Música (5488)
Peça de Teatro (1325)
Poesias (138417)
Redação (2970)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2414)
Textos Jurídicos (1931)
Textos Religiosos/Sermões (5113)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->A casa em que nasci já não existe mais -- 10/11/2019 - 21:02 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

A Casa que nasci já não existe mais

Os meninos de lá estão gagá...
Rogando aos netos,
Um passeio ao sol das manhãs,
Do meu Pilar Apilador. Continuam querendo de volta, 
O voltar da infância de outrora com calça curta e gola mamãe.
Na Alvorada, passava o vendedor de leite...
E os meninos com os litros de vinagre para comprar leite,
Aos gritos: "Mãe, o homem do leite tá vindo!"
"Menino, cuidado!", respondia a mãe.
Nas tarde noite, a meninada da Miguel Macedo,
No corre corre de brincadeiras,
Rouba bandeira e as meninas no queimado...
Fogueiras no barro batido
E os compadres de outrora nas festas juninas...
Animados, ficavam.
No carnaval, o sururu da nega e o Leão de Aço, 
Vindo do torrão com suas cores amarelo e vermelho 
E cavalo de aço nos pés.

Marcos Palmeira

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui