Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
34 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57267 )
Cartas ( 21179)
Contos (12594)
Cordel (10122)
Crônicas (22215)
Discursos (3138)
Ensaios - (9042)
Erótico (13409)
Frases (44006)
Humor (18555)
Infantil (3826)
Infanto Juvenil (2774)
Letras de Música (5474)
Peça de Teatro (1319)
Poesias (138438)
Redação (2934)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2403)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4933)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->EXPOSIÇÕES -- 10/09/2019 - 19:14 (PAULO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 


 


Os mortos têm alguma dignidade


porque não falam.


Não fale,


não elogie, não critique, não exponha,


não avise.


Se te perguntarem algo,


responda,


porque você está vivo.


Se estiver entre amigos sinceros


algum discurso é permitido,


pois aqui o excesso é desculpável.


Fora esses dois momentos,


mantenha-se calado.


Não fale,


muitos falantes morreram com essa cruz:


falar do que imaginam. 


Outros amarrados em fogueiras, 


morreram de boca aberta


ainda tentando se expor.


Não fale,


principalmente a estupidez


da  proposta amorosa.


Estúpida, mas esperançosa


e  aqui a esperança exige apenas


mudez e silêncio íntimo.


Não fale sobre o seu passado,


muito menos do presente


e do improvável futuro.


Esta ânsia de fato não interessa,


sobre você poderá cair 


o ridículo da hora errada


do boato seguinte


ou pior ainda da falsa reputação.


Fique quieto, escute, sorria.


Seja visivelmente tímido


e se quiser optar por algo burlesco,


cante ou escreva.


 


 


 


Do livro: As sondas amam


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui