Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
94 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57272 )
Cartas ( 21179)
Contos (12597)
Cordel (10122)
Crônicas (22216)
Discursos (3139)
Ensaios - (9042)
Erótico (13409)
Frases (44025)
Humor (18559)
Infantil (3826)
Infanto Juvenil (2775)
Letras de Música (5474)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138444)
Redação (2934)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2404)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4933)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->VONTADE SEM SOBRAS -- 01/08/2019 - 00:42 (PAULO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Quando durmo vou para onde nem sei,

 sei que o sonho parece real,

sendo real a doença.

É doença sonhar como faço,

pois não há sobras, nem questões,

apenas o cerco do possível.

E quando acordo comunico:

sonhei que dormia e ao acordar

ainda sonhava e nesta roda

acordei três vezes

até despertar de fato,

desta vez ao seu lado.

Quando durmo pergunto:

“Para onde irei hoje?”.

Estou em um grande parque!

Vá mais longe!

Encontre gente viva,

encontre gente morta!

Vá mais longe!

Suba no bonde!

O bonde é inexplicável

como um hematoma,

é uma imagem presente

em um momento qualquer.

Ele faz a curva,

rumo ao centro de lugar nenhum. 

Um  lugar que, às vezes, é desejo

de água cristalina para abrir olhos secos,

manhãs de sol pela janelas.

DO LIVRO: AS SONDAS AMAM

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui