Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
78 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57502 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10175)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Madrugada Vermelha -- 13/07/2019 - 06:03 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Madrugada Vermelha 

Acordei e voltei à minha caverna e na brecha do brechó, uma Luizinha abrindo um raio à clarear um livro velho com suas páginas encardidas, achado no lixo de um prédio de uma metrópole, sentei no canto e lá senti saudades do meu útero Manguaba minha Lagoa mãe natural, livro com um título interessante: O lobo da estepe,de Hesse. Era manhã e sonolento, eu estava. No silêncio da madrugada, saía na calçada das estreias avenidas Universal, assentindo o choro natural dos céus no sereno. Na viagem de Rá, filho chora e pai não ouve. Era Recife e os neons coloriam-me as caras pálidas e gente no cais da Rita Santa. À noite, o vuco vuco nos bares. Povo esbanjando alegria de uma dor a cada olhar, um rosto que o tempo borrara com a frieza natural tempo. A agonia na chegada da alvorada, fazia a carcaça por gravidade, pesar. Buscou acomodar o dilacerado corpo na sombra de um gigante mecânico zepelim que fazia sombra temporária a luz Deus no calendário pendurado em umas das rodas do monstro humananimal de asas assustadoras. Precisava apagar e morrer num instante, enquanto inquilinos do meu ser, trabalharam sem cessar a cada pulsar humano. E lá, ouvi uma voz de uma companheira da batalha noite, cantar na agonia do silêncio Mulher: “Povo passa,reina a vida.” Nada vi, simplesmente dormi....

Autoria: Marcos Alexandre Martins Palmeira 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui