Usina de Letras
Usina de Letras
66 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59266 )

Cartas ( 21241)

Contos (13145)

Cordel (10297)

Crônicas (22219)

Discursos (3164)

Ensaios - (9460)

Erótico (13486)

Frases (46705)

Humor (19310)

Infantil (4487)

Infanto Juvenil (3784)

Letras de Música (5484)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138412)

Redação (3058)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5562)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->FORJA DE POETA -- 24/06/2019 - 21:35 (benedito morais de carvalho(benê)) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O poeta não depende do fogo,


fole, forno, bigorna para forjar,


o poeta submerge  no silêncio,


vai as profundezas da solidão


para criar visões, inquietudes,


medos, ódios, paixões, rancores.


No silêncio ele produz lágrimas,


risos, perplexidades, reflexões.


Nas asas da imaginação,


ele inventa tipos fantasmagóricos,


fantasiando o mundo das pessoas


com seus apetrechos poéticos,


vendendo ilusões aos sensatos,


um mercador de utopias


um arrumador de palavras,


para engabelar o rígido destino,


é assim que se forja o poeta


 


 


 


 

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 49Exibido 59 vezesFale com o autor