Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
28 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58669 )
Cartas ( 21225)
Contos (12996)
Cordel (10256)
Crônicas (22149)
Discursos (3159)
Ensaios - (9332)
Erótico (13465)
Frases (45873)
Humor (19089)
Infantil (4324)
Infanto Juvenil (3488)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1335)
Poesias (137830)
Redação (3031)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2423)
Textos Jurídicos (1940)
Textos Religiosos/Sermões (5387)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Contrição -- 28/11/2017 - 14:08 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Contrição





Foi necessário conter-me em alegrias num ato de contrição, por receio de mal estar causar ao ambiente danificado. Usei as forças jagunças de minha natureza sertão e a intervenção mais sagrada da minha formação para comungar a dor da fome e sede na alma. Silenciosamente, observei a fúria do deserto à volta: corpos caquéticos e sedentos mostravam a aridez da paisagem pintada sob o comando do Pincel sem mão. Ele tinha vontade e vida próprias e deslizava na folha passos de ballet. O cavalete veio ao chão e a imagem escorreu por entre os grãos de areia perpetuando-se ao solo que suavemente foi ganhando cores com predomínio do verde viçoso. Alimento da alma faz germinar sementes lançadas há muito no deserto de almas vazias. O rúmen trabalha no gado ansioso por sede e fome saciar e ao final do dia, a folha ao chão levada ao vento, tenta ao chão novamente alcançar e ter de volta, a imagem que ganhou a liberdade. Liberdade contrita no silêncio natural da alegria surreal das cores e dores unidas numa folha de papel levado a outras paisagens para novas sementes germinar.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui