Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
101 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57093 )
Cartas ( 21170)
Contos (12605)
Cordel (10090)
Crônicas (22212)
Discursos (3136)
Ensaios - (9014)
Erótico (13401)
Frases (43740)
Humor (18478)
Infantil (3788)
Infanto Juvenil (2712)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138303)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4886)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Rosemeire, Rosa Mere ou Nei? -- 04/03/2014 - 10:57 (Marcelo de Oliveira Souza,IWA Instagram:marceloescritor) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Rosemeire, Rosa Mere ou Nei?

 

Como em todos os lugares, os pais sempre têm o excelso trabalho de registrar os seus rebentos no cartório.

Assim, logo quando nossa amiga Nei chegou ao mundo, a primeira coisa a fazer era criar o nome, o grande cartão de visita, que carregamos o resto da nossa existência,  onde o seu apresentou-se como  Rosa Mere, seria em tese Rosemeire.

Mas as coisas não saíram como programadas, sendo instituído na identidade: Rosa Mere, por mais um acaso do destino, ficou conhecida como Nei, por outros tantos.

A nossa garota calma e tranquila, de três nomes seguiu a sua jornada, vinda de uma  família de lavradores, sendo a segunda de uma grande prole de irmãos.

Chegando à vida adulta, constituiu uma linda família: Seu marido Wilson, funcionário público e seus filhos:  Nildo, o mais velho; e Ivan, cujo nome significa companheirismo.

Foi assim que conheci a nossa personagem, era namorado de uma de suas irmãs, começando a entender o mundo chamado Araci.

Nei estava passando uma temporada em Salvador, mas ao vir para a nossa cidade, ela esqueceu a documentação de seus filhos em casa, como eu já estava de retorno à  Soterópolis , prontifiquei-me a entregar a documentação onde ela estava instalada, na casa do seu tio Louro e de sua Tia Rubinha.

Chegando ao local, notei uma morena de cabelos compridos,  igual à Flor do Sertão, percebi que era ela, entreguei o material e segui o caminho.

O tempo passou e nos conhecemos melhor, onde Mere  foi a pessoa que mais influenciou no meu relacionamento com sua irmã Leide.

Sempre com palavras de tranquilidade e sabedoria, pois com a sua experiência, tinha muito a passar para sua irmã mais nova.

Nisso passei a fazer parte de uma família humilde e acolhedora, onde todos estavam ali para compartilhar as alegrias e algumas tristezas, isso era o que mais me encantava, a UNIÃO familiar, na alegria e na tristeza, pois nos dias de hoje é muito difícil esse sentimento consolidado na família brasileira, essa é a maior riqueza de todo ser humano.

O tempo passou... Os pequenos cresceram, quase  todos se casaram, onde as sementes da nossa Valente Nina, foram se espalhando aos quatro cantos da Bahia, mesmo assim,  a essência da união familiar continuou a mesma, pois era só precisar e tinha uma pessoa ao nosso alcance.

Quando o Raio de Sol,  Moa,  nasceu, não foi diferente, a família foi toda mobilizada, esperando por esse presente de Deus, e nossa grande amiga Nei estava ali, como sempre,  para acolher a mais nova componente desse grande  grupo familiar.

Depois de um tempo, recebemos a triste noticia do falecimento de uma das pessoas mais queridas da família - que sempre será lembrada - também uma agregada, que aprendeu muito com o jeito Valente de um sertanejo, nossa eterna amiga  Rubinha.  O sofrimento foi imenso, pois quem adoece no Brasil e não tem nenhum plano ou seguro saúde pena muito mais que o normal, sofrendo duas vezes.

Mal nos recuperamos dessa, sentimos outro tranco, um mais pesado que o outro, onde Nei foi diagnosticada  com câncer no ovário, começando uma grande mobilização,  não só na família, mas também  no mundo  espiritual.

Justamente  nessa   época muito difícil, aparecem  mais dois  novos  componentes na família, Lourenço e Xavier,  que praticamente assumiram a nossa amiga, colocando-a no seio das suas residências, dando um pronto atendimento e mais que isso, demonstrando uma grande afetuosidade.

Isso ajudou muito a   nossa iluminada paciente   na luta contra a “nossa” doença, isso não é um mero acaso do destino, pois sem essa fortuita ajuda, certamente a nossa lutadora não estaria mais entre nós, chegando a alcançar três anos de ajuda providencial do  Senhor.

Agora estamos aqui, lembrando toda essa jornada...

Como tudo começou... Percebemos mais uma vez   que as coisas não são por acaso,  onde todos  estão  unidos em um só pensamento, lutando, lutando, lutando...  E comemorando esse dia de Glória, pois quem sabe do futuro de todos nós é Deus,  onde nos  planos Dele tudo é  perfeito, a gente que não compreende...

Nessa nossa jornada em meio ao sertão, todos nós aprendemos muita coisa, principalmente com a nossa amiga Rosemeire,  Rosa  Mere ou Nei, pois ela nasceu com três nomes, vinda de  uma família simplória, contudo, conseguiu  fazer  três vezes mais que muita gente, descobrindo, aconselhando, aglutinando e  semeando  amigos e parentes, tudo num só pensamento, onde a vitória certamente virá.

 

 

Marcelo de Oliveira Souza

Do site:

http://marceloescritor2.blogspot.com

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui