Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
172 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58289 )
Cartas ( 21211)
Contos (12893)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13456)
Frases (45476)
Humor (18988)
Infantil (4212)
Infanto Juvenil (3305)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138801)
Redação (3006)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5289)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->E apareceu a Aparecida -- 25/10/2013 - 13:32 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Acordem pra conhecer a nova irmãzinha de vocês. E acordamos, dum pulo, os três:

eu com meus sete, o Beu, de seus quatro e meio e o Caxi, mal entrado nos seus

dois.

Era manhãzinha fresca, e antes que nos embevecêssemos sobre a rechonchudinha

ao lado de mamãe, outra chamada de papai, desta vez só pros machos: vamos lá

buscar umas galinhas no Migué de Souza.

E nos pusemos em marcha, primeiro alcançando a porteira que dava fim à nossa

rua e em seguida, pasto adentro, numa estradinha vincada com os sinais das rodas

de carro-de-boi. E por ali foi

que fomos, até se perder a estrada e ganharmos uma trilha. Sonora, ora. Os ruídos

matinais inspiram até pardais. Sem menos, nem mais.

E ao meio, foi aquele regatinho que veio. Rasinho, águas cristalinas, orlado de

vegetação até no teto e com a pedrinhas arranjadinhas para não molharmos os pés

- se o cuidado fosse dez.

E aí, logo, a impressão da chegada à chácara que no mato se esconde, sem ser a

do Visconde: uma casa singela, acho que amarela, de alvenaria, em meio à

mataria. Os câes, dous ou três, que imponência, ainda que sob obediência.

Cumprimentos e tratativas trocados com a dona da casa, ou filha do Migué - que,

vimos a saber já bem depois era também mãe e irmã de um de seus filhos - era

hora dos cachorros mostrarem a sua serventia: umas galinhas gordas, pardacentas

logo designadas em meio ao terreiro, e numa corridinha leve, crau, estavam

imobilizadas, sem feridas ou sinais de dentadas, já acalmadas as demais do

berreiro. Voltamos impressionados daquela matinata, fazendo questão até de exibir

um ou outro arranhão da aventura no matagal. Pegar galinha para aqueles cães

era pinto: eles estavam treinados a derrubar bezerros e vacas.

A canja para o resguardo de mamãe estava garantida. E à rechonchudinha

podíamos agora contar nossas proezas.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 185 vezesFale com o autor