Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
225 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58167 )
Cartas ( 21211)
Contos (12861)
Cordel (10239)
Crônicas (22096)
Discursos (3147)
Ensaios - (9230)
Erótico (13453)
Frases (45314)
Humor (18942)
Infantil (4167)
Infanto Juvenil (3240)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138726)
Redação (2997)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5256)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->O idiota e a moeda -- 21/10/2013 - 16:51 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

      O IDIOTA E A MOEDA

       Conta-se que numa cidade do interior perto de Luzerna-SC, um grupo de pessoas se divertia com o idiota da aldeia. Um pobre coitado, de pouca inteligência, vivia de pequenos biscates e esmolas.
 
       Diariamente eles chamavam o idiota ao bar onde se reuniam e ofereciam a ele a escolha entre duas moedas: uma grande de 400 RÉIS e outra menor de 2.000 RÉIS. Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos.
 
       Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou se ainda não havia percebido que a moeda maior valia menos.
 
       - Eu sei, respondeu o tolo. "Ela vale cinco vezes menos, mas no dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar minha moeda”.
 
       Podem-se tirar várias conclusões dessa pequena narrativa.
 
       A primeira: Quem parece idiota, nem sempre é.
 
       A segunda: Quais eram os verdadeiros idiotas da história?
 
       A terceira: Se você for ganancioso, acaba estragando sua fonte de renda.
 
       Mas a conclusão mais interessante é: A percepção de que podemos estar bem, mesmo quando os outros não têm uma boa opinião a nosso respeito.
 
       Portanto, o que importa não é o que pensam de nós, mas sim, quem realmente somos.
 
       O maior prazer de um homem inteligente é bancar o idiota diante de um idiota que banca o inteligente.
 
       Preocupe-se mais com sua consciência do que com sua reputação.
 
       Porque sua consciência é o que você é, e sua reputação é o que os outros pensam de você. E o que os outros pensam... é problema deles.
 
Obs.: Texto de autoria desconhecida. Colaboração de meu amigo Guido Schneider (F. Maier).

 

Leia o último livro de Olavo de Carvalho

“O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota”

 

Leia os textos de Félix Maier acessando:

Mídia Sem Máscara - http://www.midiasemmascara.org/  

Piracema - Nadando contra a corrente (textos mais antigos) - http://felixmaier.blogspot.com/

Piracema II - Nadando contra a corrente (textos mais recentes) – http://felixmaier1950.blogspot.com/

  

Leia as últimas postagens de Félix Maier em Usina de Letras clicando em

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=FSFVIGHM

 

Para conhecer a história do terrorismo  no Brasil, acesse 

http://wikiterrorismobrasil.blogspot.com.br/

 

Escracho

 

O Palácio do Planalto amanheceu com uma faixa no topo do prédio:

"AQUI VIVE UMA TERRORISTA"

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui