Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
187 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58289 )
Cartas ( 21211)
Contos (12893)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13456)
Frases (45476)
Humor (18988)
Infantil (4212)
Infanto Juvenil (3305)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138801)
Redação (3006)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5289)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Datemi un martello -- 15/10/2013 - 12:53 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Podia faltar um parafuso à cabeça do tio Antoine, mas pregos ali abundavam, tal era o seu lidar diuturno com o martelinho de sapateiro. Ele tinha também o de pedreiro e pode ser até que o de marceneiro, mas o seu preferido, pra todo aquele alarido era o de sapateiro, da cabeça achatada e do bico de pato.

Da chusma de ofícios e profissões que tentou na vida - que foi longa de nove décadas - a de sapateiro parece que foi a que mais lhe caiu no goto. Não que tenha sido bem sucedido num ofício até correlato ao de seu pai Velusiano, seleiro curvelano. Mas não foi por pouco querer pois o difícil era já adulto e calejado, outra cousa aprender senão briquitar com os teares da Companhia - que em nada ao espírito desassossegado de Antoine apetecia.

E assim, juntadas todas as suas ferramentas numa lata, o martelinho de sapateiro continuou sendo a predileta. Já no outono da existência, perdida a mãe e com as irmãs mais tolerantes ou mais além, pródigo, o Antoine voltou à domesticidade, ficando mais tempo em casa.

E sua atividade quase sem descanso, foi martelar. Tinha aquela paixão indômita por coisas exdrúxulas, de transformar uma bicicleta em carrinho de mão, ao fazer remendos - a prego - num velho par de havaianas. Martelou, martelou, anos a fio e a pavio. Sempre sentado no tamburete de madeira, encumbucado, manhã ou tarde inteira - a martelar. Até que batesse, afinal,o martelo das horas.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 207 vezesFale com o autor