Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
157 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58261 )
Cartas ( 21211)
Contos (12883)
Cordel (10242)
Crônicas (22109)
Discursos (3152)
Ensaios - (9254)
Erótico (13456)
Frases (45448)
Humor (18977)
Infantil (4205)
Infanto Juvenil (3289)
Letras de Música (5510)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138787)
Redação (3005)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5286)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Sivirino Lagoa -- 05/10/2013 - 06:13 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Quem o visse já ia logo imaginando que vivia na maior merda. Literalmente. Ledo

engano, contudo. Dela vivia sim, mas daquela procedente do capim.

Era sua uma casinha tosca, mas limpinha, e até bem varrido o chãozinho que a

cercava, até que naquele monte de estrume se chegava. Ficava no meio de um pasto,

a poucas jardas de um rio São João, mas Sivirino Lagoa, era prosa boa, dessas de

que todo mundo gosta, mesmo lhe comprando uma baciada, ou uma carrada, de boa

bosta. Sequinha, adubo de primeira linha, tanto pra um pomar, quanto pra qualquer hortinha.

Olhos azuis, cabelos grisalhos e abundantes, rugas bastantes, perfaziam aquela figura

pouco comum. Mas quando falava, é que a singularidade se ressaltava: "... e os fiutim,

tá bão"? "E bão mesmo é quando cabe tudo dibaxo de uma cuberta".

E assim era a alma que se adubava, na certa.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 181 vezesFale com o autor