Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
185 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58289 )
Cartas ( 21211)
Contos (12893)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13456)
Frases (45476)
Humor (18988)
Infantil (4212)
Infanto Juvenil (3305)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138801)
Redação (3006)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5289)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Caçarola remendada -- 30/09/2013 - 05:05 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Ela já não tinha mais cabo, mas nem os rigores de

tantos calores e ferventes acidentes tinham dado cabo

dela. Preta, de ferro - e com aquele remendo de lado -

ainda tinha serventia, em tempos outros, duros, mas

sem panela vazia.

Seus colegas de trabalho, que incluíam caldeirões,

panelas e uma nova caçarola, essa já de alumínio, que

o dissessem. Não era mole ficar duas horas ou mais

sentado na trempe incandescente do fogão de lenha. E o

pior é que, feito o serviço, eram encostadas e nem ao

menos areadas quando lavadas. Feito as panelas

brilhantes de Tibebé, que delas cuidava, como num

dogma de fé.

A caçarola remendada não ganhou esse nome a toa. Já

tivera seus dias de glória, sua mais bela história e

na certa, um tombo, que lhe provocara uma rachadura

lateral, da borda até o meio do corpo. Ou teria feito

parte de um acerto de contas culinário, rachando a

cabeça de algum otário? Melhor pensar na primeira

opção, pois uma caçarola melhor faz arroz e feijão.

Com toda paixão.

O remendo, é que chamava atenção: bem feito para os

tempos pre-Brastemp, consistia numa chapa de ferro

exterior, presa por pontos de arame, sobraçando os

dois lados daquela racha. Não chegava a vedar

completamente, mas fazia um esforço férreo.

E a velha caçarola se prestava com humildade e

eficiência a trabalhos acessórios, como assar um bolo

- que papai era mestre em fazer - entre brasas no

fundo e na tampa.

Quando nos mudamos do povoado para a cidade, a

caçarola, agora transformada em pote de margaridas,

já não nos seguiu. Mas não foi a única a ficar: teve

por companhia a passadeira de borracha plastificada e

a torradeira de café, ambas sem remendos, mas ambas

também a fincar o pé.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 242 vezesFale com o autor