Usina de Letras
Usina de Letras
13 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61949 )

Cartas ( 21333)

Contos (13251)

Cordel (10444)

Cronicas (22528)

Discursos (3234)

Ensaios - (10254)

Erótico (13559)

Frases (50347)

Humor (19993)

Infantil (5387)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140709)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Peço -- 22/05/2001 - 16:53 (Andréa Ostapenko) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Peço

de Andréa Ostapenko



Me dê a boca dormida

de vóz amassada - travesseiro que fala.

Me dê o riso que encanta

e a lingua que mata.



Me dê a boca dormida

me dê a boca amor - amortecida.

Te quero e não meço,

me dê a boca lhe peço, encarecida.



--------------



São José da Palhoça de Andréa Ostapenko



A cidade é bela

não há favela.

A frase engana,

é a força da grana.



A cidade se funde

o riso confunde,

e a poeira na beira

é pura sujeira.



A cidade não presta,

cuidado com esta

O muro esconde

favela, onde?



Cidade sinistra

de campos, bela vista.

esquisita, mal quista



De campos conquista.

Quedas, troncos,galhos,

atalhos, trilhos, tombos, ralos...
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui