Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
103 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58261 )
Cartas ( 21211)
Contos (12883)
Cordel (10242)
Crônicas (22109)
Discursos (3152)
Ensaios - (9254)
Erótico (13456)
Frases (45448)
Humor (18977)
Infantil (4205)
Infanto Juvenil (3289)
Letras de Música (5510)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138787)
Redação (3005)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5286)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->A almotolia -- 19/09/2013 - 05:13 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A almotolia

Não digo que as mexidas do Zé chegassem a nos fazer matar aulas só pra

ficar à sua volta, mirando cada passo seu na instalação da serpentina

lá em casa, mas seguramente nossos deveres de casa, nossas leituras

passaram por um período de significativa de baixa naquelas semanas em

que, para resumir, tudo parecia pelo cano ir.

O Zé, Raimundo de Freitas de assinatura, e Redondo de apelido e

estrutura, além de empregado da Prefeitura, onde respondia pelo setor

quiçá mais áulico do que hidráulico, era meio-contra-parente nosso,

casado que era com a Dinininha, tia de mamãe – e tia-avó minha.

Aceitou fazer nossas instalações com um misto do orgulho do bambambã

e um pouco de condescendência contra-parental, tão requisitado que

era não lhe faltava trabalho extra – e bem remunerado com mimoseios

de bom grado – nas casas de madames e de doutores da cidade. E fazia

questão de proclamar essa sua popularidade e utilidade pública –

além de espicaçar o café que lhe era servido na freqüência de suas

jactâncias. Chamava o nosso café simplesmente de ‘água de batata’ –

mas não passava sem a preciosa e obsequiosa rubiácea.

Para temperar a soberba social, contava suas anedotas, geralmente

se especializando nas funções fisiológicas do baixo-ventre. Dava a

impressão de se deliciar com o constrangimento alheio – ainda que

temporário, vítima de um ‘vento’ intempestivo e mal-dirigido – de

preferência de moça. Assim o Zé, assim como o nosso café, mas o

rodeávamos assim mesmo. Ele era bom e consciencioso no seu trabalho e

a serpentina que instalou em nosso fogão, com aqueles canos paralelos

trazendo água fria e levando-a quentinha para o cilindro eram o primor

da tecnologia que estava ao nosso alcance na certeza de um banho

quente – desde que rápido. Afinal éramos muitos e, inapelavelmente, a

hora do banho convergia pra água fria.

O Zé tinha muito zelo e até um certo ciúme de suas ferramentas, de

sorte que, prevenidos, evitávamos tocá-las. A não ser quando ele e os

nossos pais porventura se distraiam – para a nossa rápida e oportuna

aventura.

A máquina de fazer rosca em cano – naqueles tempos A.PVC, ou antes

do pvc – era sólida, pesadona e impunha respeito. A chave de cano

era por demais conhecida, pois havia uma igual, e mais nova, na casa

vizinha de vovó; a segueta não entusiasmava, ela que pra serrar um

cano era tão brava, mas a almotolia…essa sim, era toda novidade, feita

de cobre, bojudinha, com aquele biquinho comprido, afiladinho e ainda

tinha um botãozinho para se pressionar o óleo…Pena que o primo

Maurício, filho do dito Zé, naquele dia por ali, dela não largasse o

pé…
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 188 vezesFale com o autor