Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
187 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58289 )
Cartas ( 21211)
Contos (12893)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13456)
Frases (45476)
Humor (18988)
Infantil (4212)
Infanto Juvenil (3305)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138801)
Redação (3006)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5289)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->A Ção dos pastéis -- 17/09/2013 - 11:59 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Você que é do tempo do ginásio, Gildásio, comigo há de convir: muito lá teve que

esgrimir. Minha vida ginasiana foi de 62 a 65: peguei uma Copa e uma revolução.

A ilusão da Copa murchou logo na edição seguinte do torneio, mas a redentora só

nos deixaria ao completar sacudidos 21 anos.

Concentremo-nos contudo naquele quadriênio que me marcou a existência, e por

pouco teria desaguado na desistência, pois foi um período conturbado lá em casa, e

papai, desiludido com a fábrica, começava a se persuadir de que a melhor

educação para a juventude era o trabalho. Trabalho mamãe teve em convencê-lo

do contrário, mas sua perseverança prevaleceu.

E, com a irmandade, ia tirando de letra, nem sempre na melhor grafia, os encargos

letivos. Era, em geral, de boa qualidade o corpo docente, e havia aquela motivação

de se estar aprendendo algo além, que nos levaria a ser mais alguém. E até a

companhia, com que se competia, bem fazia.

Driblar a fome ao longo da quatro a cinco horas matinais é que era um desafio. E

aí, não se singularizavam os menos dos mais aquinhoados. Todos éramos uns

esfomeados, pela dureza da concentração nos estudos, ainda agravados. Ainda não

havia uma cantina e se houvesse, estaria acima de muitas posses.

Foi quando a Ção deu sua lição: sem quiçá ter encarado o primário, lá de seu fundo

de quintal, que divisava os terrenos do ginásio, a Ção, em ação, desafiou a cerca

de arame farpado para oferecer um café com pastel para a molecada. Mas mais do

que a cerca, rompeu ela também o apartheid da negritude, que tanto desilude,

num café ainda mais preto do que sua pele. E o suplementou com pastéis. Que não

chegavam a uma brastemp, tanto em forma ou conteúdo, mas que enganavam a

fome. Também não davam pro bolso de todos, mas atendiam os mais afoitos.

Sem acesso regular àquela iguaria, arranjei, todavia, uma forma de homenagear a

pasteleira quando o Professor Plínio Malachias, entusiástico, bombástico, nos

tentava inculcar as noções dos modos e tempos do verbos. À sua pergunda a quem

pudesse definir o que era ação, eu lasquei: a Ção é aquela mulher que vende

pastel. Mas minha voz foi tão fraquinha, vai ver que de fome, que só um colega ao

meu lado, o Osvaldino, foi que notou e me olhou atônito: se o Professor tivesse

ouvido o que Vc falou ele te botava pra fora. E não sendo a hora do recreio, nem

pastel - sem recheio - eu poderia comer.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 216 vezesFale com o autor