Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
109 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57505 )
Cartas ( 21184)
Contos (12608)
Cordel (10177)
Crônicas (22283)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13416)
Frases (44277)
Humor (18618)
Infantil (3903)
Infanto Juvenil (2849)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138234)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4981)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Convencional -- 29/01/2017 - 07:07 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O convencional tem trombado com minhas ideias quando na minha febre de ansiedade, tenho pisado no chão do mato barroco e mexido no túmulo Gregoriano.

Caminhando nas calçadas da Bahia de todos os Santos e blasfemando na fé, nas verdades, na mentira. A febre do ano que findou causou náusea no sertão do meu amor. A oração não trouxe água ao açude da minha alma. Escrevo no diabo do instante do relativo assentir os momentos a Deus. Momentos ao meu Santo Bode Frederico do meu apilado Pilar.

Nasci quando a natureza chorava e dava de mamar à minha mãe Manguaba no berço Lagoa, Julho batia na porta e a matriz avisava com simplesmente quatro badalos a chegada do Sol, desvirginando a madrugada companheira da solidão do solicitado. Ateu! Graças a Deus.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui