Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
181 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58289 )
Cartas ( 21211)
Contos (12893)
Cordel (10242)
Crônicas (22116)
Discursos (3152)
Ensaios - (9262)
Erótico (13456)
Frases (45476)
Humor (18988)
Infantil (4212)
Infanto Juvenil (3305)
Letras de Música (5511)
Peça de Teatro (1329)
Poesias (138801)
Redação (3006)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5289)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->O urro do burro -- 15/09/2013 - 03:50 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A Revolução botava o Brasil nos trilhos - enquanto eliminava as ferrovias - e o

Missanta nem hesitou: com os quarenta e cinco contos que a Companhia lhe pagara de

indenização reformou a casa e comprou uma carroça. Não ia mais dar burradas.

A casinha ficou um brinco, com sua laje escondendo aquelas telhas enfumaçadas,

cheias de e picumãs. O que se viam agora eram as belas estrelas vermelhas que lhe

dera na cabeça pintar, sem nada ter a ver com um Prestes ou um PT que ainda levaria

tempo pra germinar.

O sustento agora, além de uns cobres que haviam sobrado e foram colocados na

poupança, viria do burrinho pro qual não haviam de faltar capim ou carreto. E o

chicote entrou em ação.

Missanta, que era Antônio por batismo, mal se lembrava que ganhara o apelido ainda

piquitito quando, tentando abrandar a brabeza do pai, reagia com choro e sangue

gritando, ou querendo significar, "assim você me sangra, pai". Do me sangra ao

missanta, a mudança não fora tanta. Já o burrinho, aguentou só mais um tantinho.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 170 vezesFale com o autor