Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
166 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58261 )
Cartas ( 21211)
Contos (12883)
Cordel (10242)
Crônicas (22109)
Discursos (3152)
Ensaios - (9254)
Erótico (13456)
Frases (45448)
Humor (18977)
Infantil (4205)
Infanto Juvenil (3289)
Letras de Música (5510)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138787)
Redação (3005)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1935)
Textos Religiosos/Sermões (5286)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->A cafeteira -- 29/08/2013 - 03:15 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Sabia que o bule verde esmaltado, todo pomposo, lhe havia tomado o lugar, mas

ela não perdia a velha elegância. E já nem mais frequentava a mesa, relegada que

fora à prateleira, dividindo espaço com as latas de mantimento, a máquina de moer

carne e até ele, o já arcaico, mas bem prosaico, almofariz de bronze. Cafeteira,

quanta história tinha pra contar!

Feita dum metal estanhado, mantinha o perfil longilíneo, mesmo tendo abrigado

tanto café em seu bojo. E a bem da verdade, para si, até que dessa danada

rubiácea, tinha até nojo. Mas nada falava. Recebia-o quentinho e até o fundinho

o ministrava, indiscriminadamente a copos de latão, a xícaras de louça nalguma

solene ocasião. O que não tolerava, mas nem o bico abria, era quando não se a

lavava. Brava ficava, de bico empinado.

Viu tanto bolo ser esquartejado, tanto queijo fatiado, tanta quitanda em seu

passado. Pão com manteiga era o mais frequente, pra ir com o café quente. Mas

numa ocasião festiva, de pão a bandeja era esquiva, abarrotada que ficava de

biscoitos fritos, de ovinhos de cutia e até da panhoca, de que pouco se ouve hoje

em dia.

Nas mãos de Dona Inhana, de menina recém-casada, a bisavó já anunciada, sentia

a digna cafeteira a carícia lisonjeira. E mesmo hoje, do cantinho da prateleira,

ainda se lembra, se refestela da boa vida que era aquela, ainda que - sem bule e

sem bulício - tão singela.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 228 vezesFale com o autor