Usina de Letras
Usina de Letras
33 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59272 )

Cartas ( 21241)

Contos (13147)

Cordel (10297)

Crônicas (22219)

Discursos (3164)

Ensaios - (9463)

Erótico (13486)

Frases (46710)

Humor (19312)

Infantil (4487)

Infanto Juvenil (3784)

Letras de Música (5484)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138414)

Redação (3059)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5563)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->NO ANO QUE VEM (Sérgio Antunes) -- 29/12/2016 - 10:00 (benedito morais de carvalho(benê)) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

No ano que vem,


vou fazer um chek-up,


reformar os meus ternos,


vou trocar os meus móveis,


viajar no inverno,


como convém.


 


No ano que vem,


vou me fantasiar,


desfilar na avenida,


decorar samba enredo,


vou mudar minha vida,


como convém.


 


No ano que vem,


faço vestibular,


vou tocar clarineta,


aprender a dançar valsa,


fox-trot ou salsa,


como convém.


 


E vou me converter


no ano que vem,


vou pagar a promessa


e andar mais depressa.


Como convém.


 


No ano que vem,


vou tratar meus dentes,


visitar uns parentes,


vou limpar o porão,


vou casar na igreja,


como convém.


 


No ano que vem,


vou soltar busca-pé,


empinar papagaio,


vou comer manga-espada


e sentar na calçada,


até.


 


No ano que vem,


vou pagar minhas dívidas,


apagar minhas dúvidas


e trocar o meu carro


e largar o cigarro.


Como convém.


 


No ano que vem,


vou fazer um regime,


e vou mudar de time,


viajar para a França,


e estudar esperanto.


Como convém.


 


Vou plantar uma rosa


no ano que vem


e escrever um romance


e fazer exercício,


desde o início,


como convém.


 


E entrar para a política


e me candidatar,


no ano que vem,


fazer revolução,


lutar na Nicarágua,


por que não?


 


E fazer uma plástica,


no ano que vem,


e ficar destemido,


decorar um poema


e escrever pra você,


como convém.


 


Se não der certo, no entanto,


neste ano que vem,


vou deixar de cobrança


do que fiz ou não fiz.


Neste ano que vem,


quero, como convém,


ser, apenas, feliz.


 


 


Autor: Sérgio Antunes (Poema de 2007)


 


 


 


 
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 49Exibido 110 vezesFale com o autor