Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
215 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58157 )
Cartas ( 21211)
Contos (12857)
Cordel (10239)
Crônicas (22094)
Discursos (3147)
Ensaios - (9229)
Erótico (13452)
Frases (45305)
Humor (18938)
Infantil (4161)
Infanto Juvenil (3234)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138720)
Redação (2996)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5253)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->CANÇÃO SEM PERNA NEM AR -- 02/04/2016 - 15:26 (Francisco Miguel de Moura) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


CANÇÃO SEM PERNA NEM AR



                                Francisco Miguel de Moura*





Que canção merece o mundo escuro?



Ninguém quer ouvir nada de ão...ão..

Nem saber do peito íntimo de alguém

senão para um sexo extra (ordinário).



E assim não há canção nem poema,

é uma extra-vasação do mesmo tema,

que não sei do seio de quem vem.



Palavras!... Soltar bolinhas de sabão,

ao vento, um vento tão opresso,

e reunir  verso e reverso, sem uni-verso.

Oh! íntimo desprazer solto, aranhento!



No chão fundido, confundido, há mais,

muito menos pra ser visto, ouvido...

Por que as bandas tocam e dançam

e todos “dançam” nada atrás de nada?



Nenhuma canção vale a pena e o pinho,

durante a noite inteira esbandalhada.





_____________________

*Francisco Miguel de Moura, poeta desencantado com as músicas de hoje, com os poemas e canções da “mundernidade”.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui