Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
221 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58157 )
Cartas ( 21211)
Contos (12857)
Cordel (10239)
Crônicas (22094)
Discursos (3147)
Ensaios - (9229)
Erótico (13452)
Frases (45305)
Humor (18938)
Infantil (4161)
Infanto Juvenil (3234)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138720)
Redação (2996)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5253)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->AS FLORES DO MEU IPÊ -- 20/02/2016 - 22:20 (Francisco Miguel de Moura) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

AS FLORES DO MEU IPÊ

      (Haikais para Regina Ragazzi)

 

               Francisco Miguel de Moura*

 

 

Não é arremedo,

A primavera nordeste,

Chega tarde ou cedo.

 

Este ano tristinho,

O ipê da minha janela,

Ficou tão sozinho.

 

Vendo seu vizinho

Todo repleto de flores,

Me deu um beijinho:

 

“Não demoro, não,

Também vou-me enflorecer

Aquieta, coração!”

 

Demorou, mas veio

Em flores da cor de ouro

E ficou todo cheio.

 

Que belo era o sol

Naquela quente manhã:

Não teve arrebol.

 

Fiz o dia inteiro

Sentinela aquelas flores...

Fosse o ano inteiro!

 

Antes belo e tarde

Que seu irmão mais ligeiro,

Chegar sem alarde.

 

Agosto passou

E quase setembro inteiro,

No final florou.

 

Outubro tão quente

Segurou-te por inteiro,

Meu olho não mente.

 

Descia do quarto

Que fica no sexto andar,

Para ficar farto

 

De tua cor e cheiro,

Vendo as abelhas voarem,

Eu voava primeiro.

 

A primavera ingrata

Chega ligeiro pra uns

A outros maltrata.

 

Tu, seco, eras vivo:

Ser amante é ser um sábio

Embora cativo

 

Minha primavera

É você a vida inteira

Pois fico na espera.

 

Amores cativos

Como nós, você e eu,

Somos sempre vivos.

 

__________________

 *Frâncico Miguel de Moura / ama fazer versos / e os experimenta, / com sentimento e razão. / Se assim se faz um poeta, / a poesia é paixão.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui