Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
121 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59051 )

Cartas ( 21235)

Contos (13079)

Cordel (10287)

Crônicas (22189)

Discursos (3163)

Ensaios - (9405)

Erótico (13483)

Frases (46400)

Humor (19251)

Infantil (4424)

Infanto Juvenil (3677)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138151)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5498)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->VAI QUE É TUA, GUAXINIM. -- 18/11/2012 - 12:10 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Guaxinim. Assim era conhecido um perigoso morador de Bodocó, cidade onde, em 1984, Raimundo Diniz dos Santos, conhecido por Diniz, foi passar o carnaval. Filho natural dali, mas radicado no Recife há muitos anos, volta e meia Diniz dava um pulo em sua terra natal.

Bodocó é uma cidade do agreste pernambucano, que fica na divisa com o Ceará, na Região do Cariri, estremando com a cidade cearense de Campos Sales.

Pois foi em Bodocó que Diniz passou o carnaval de 1984, com já dito. No último dia de festa, terça-feira de carnaval, resolveu ir para o clube da cidade, que há muito não freqüentava, e de lá tinha boas lembranças de sua juventude, quando se embalava nas tertúlias dançantes dos anos 60, começo da década de 70, época que fora embora para o Rio de Janeiro, e posteriormente fixar residência definitivamente na capital pernambucana, no começo de 81.

À tarde, foi para a praça da cidade e ficou bebendo com os amigos, alguns deles há muito não via. Beberam, à tarde toda, entrando pela noite, até a hora de começar a festa. Quando junto com vários deles foi para o clube da cidade. Todos já bastantes altos. Alguns embriagados mesmo. Antes de entrarem no clube, ainda passaram na mercearia do Zé Ivan e beberam mais uns goles de cachaça.

Ao entrar no clube Diniz dá de cara com um primo Leo, que imediatamente o levou para o bar. Onde continuou a beber cerveja, vinho. O que aparecia. Chegaram até mesmo a dar uns cheiros na loló.

Muito embriagado, Diniz foi para o salão, onde começou a pular. Pula daqui, pula dali, não se sabe como ele começou uma discussão, e simplesmente com o famoso Guaxinim. A turma do deixa pra lá apartou a confusão. Guaxinim ficou por ali, mas Diniz, que na confusão perdera os óculos não se conformava, dizendo para Guaxinim, sem recolhê-lo, de tão embriagado, que iria matar o sujeito com quem discutira antes. Guaxinim não dava a mínima. Apenas ria.
No dia seguinte, ainda de ressaca, Diniz foi ao clube à procura dos óculos. Na volta, encontra outro primo, Alfredo, que já sabia da notícia e pede a Diniz para ter cuidado.

- Guaxinim é muito perigoso e vingativo, disse-lhe Alfredo.
- Ao que Diniz respondeu: Como vou tomar precaução se não conheço o sujeito e se o vir não terei como reconhecê-lo, pois quando da confusão estava muito embriagado.

O caso terminou por aí. E na quarta-feira de Cinzas, Diniz voltou para Recife.

Tempos depois, Diniz voltou para passear na sua terra e novamente passar alguns dias com os amigos, curtindo umas merecidas férias. Por lá ficou vários dias, e não houve qualquer problema, até mesmo tinha esquecido o incidente com Guaxinim.

Numa bela tarde, Diniz estava no campo de futebol para jogar uma pelada. Feita a escalação dos times, ficou faltando um jogador para um dos lados. Mesmo assim o jogou começou, e o primeiro jogador que chegasse entraria para completar o time que tinha um jogador a menos. Regra de pelada.

O tempo foi passando, o jogo correndo e nada de aparecer outro atleta para completar o time de Diniz.

Ainda no primeiro tempo, por trás da trave contrária a do time defendido por Diniz, surge caminhando lentamente, por uma vereda, um sujeito com uma espingarda nas costas. Um jogador do time de Diniz, diz:

- Entra para o nosso lado, Guaxinim. A gente ataca para esse gol aí.
- Lívido de medo, Diniz baixinho exclamou: Morri, mas continuou jogado, rezando para não ser reconhecido pelo Guaxinim.
Guaxinim, tranqüilamente, encosta a espingarda numa das traves e entra para jogar.

Diniz morrendo de medo de ser reconhecido, mas para agradar Guaxinim, toda bola que pega lá atrás metia para o Guaxinim e gritava:

- Vai que é tua, Guaxinim.

Anos mais tarde, Diniz veio a saber que Guaxinim fora morta num confronto com a polícia.

Henrique César Pinheiro
Fortaleza, novembro/2012.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 25Exibido 599 vezesFale com o autor