Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
52 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59108 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9435)

Erótico (13481)

Frases (46495)

Humor (19273)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138218)

Redação (3051)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5518)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->O meu, o seu e os nossos banquinhos (ou Uma carta para Sal) -- 01/02/2004 - 12:59 (Georgina Albuquerque) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Sal, minha querida:

Terminada a leitura da sua crônica "O banquinho do piano", fiquei extremamente sensibilizada. Essa é a "prova dos nove" dos grandes escritores: - mobilizar a memória emocional dos leitores. E como você consegue fazê-lo com competência!...

A questão da representação simbólica é muito interessante devido à nossa singularidade, o que geralmente torna os nossos códigos bastante incompreensíveis aos outros. Interessante o fato narrado, referente à retirada do piano de sua casa. Para você, a maior perda dizia respeito ao banquinho, ainda que ancorada pelo pensamento animista de que ele não havia sido assim tão seu amigo...(rs).

Perdas, todos nós a temos durante a vida...Talvez doam mais quando a sensibilidade é mais aflorada, mas de qualquer forma são inevitáveis. Porém, o que mais gosto em você é a coragem de colocar as suas emoções de forma clara e sincera. Preocupantes são a postura monossilábica e ferina, os sentimentos ocultos nas compulsões verborrágicas excessivamente racionais, o afeto bloqueado pela desconfiança, as agressões despropositadas e o medo a paralisar novas tentativas.

No fundo, minha querida Sal, o banquinho pode tê-la decepcionado, mas os beijinhos e o carinho de sua mãe certamente lhe deram incentivo para persistir na vida. Como você mesma diz:

" Desse dia em diante, não quis mais a ajuda do banquinho e voltei ao meu ostracismo, até voltar a andar com minhas próprias pernas."

Está explicado o seu poder de regeneração, respeitadas as quarentenas que sempre acompanham os tombos. O que não se explica racionalmente é a beleza com que você aborda seus temas, contagiando-nos com uma nostalgia tão bela.

Espero sempre contar com a sua amizade e a inspiração dos seus textos.

Por favor, escreva mais!...

Da amiga que se orgulha de você,

Georgina Albuquerque

O banquinho do piano

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui