Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
95 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57502 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10176)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Companhia -- 02/08/2014 - 17:16 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos






COMPANHIA



Distancio-me absurdamente como pipa que sobe ao céu

com o risco abrupto de cortarmos a linha que nos une.

Vento é bom e não custa subir.



Tuas garras de bicho assustam meus limites

e as quero mesmo assim, mas podem me devorar sem lástima.

Visto-me de liberdade e evito que me firas, e voo.



Distancio-me enormemente como cometa aprendiz.



Uma noite e o Tempo, a dor e Tempo, a voz tua, perdida

e o Tempo.

Então does como aquilo que nunca vai acontecer, e dor

é o maior imã que retoma qualquer linha, qualquer trilha

qualquer distancia.

Assim, surges estranho e forte como muralha, e não sei

evitar.

Porque estar, não estás. Comigo? Não, sei que não.

Então digo solidão, porque tua ausencia é a única marca

possível e barganhável com a realidade

e que mesmo com outros corpos por perto,

dentro de mim repete:

solidão.







-------------------------------------------
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui